Economia recupera, mas Banco de Portugal alerta para queda da produtividade por trabalhador

  • Marta Santos Silva
  • 10 Maio 2018

Embora a economia portuguesa tenha acelerado no ano passado, a produtividade não está a evoluir da mesma forma - desde logo, o aumento do emprego serve para contrabalançar esse efeito.

A economia portuguesa está a recuperar, mas no conjunto da economia vê-se uma diminuição da produtividade por trabalhador. De acordo com dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal, no seu Boletim Económico de maio de 2018, a produtividade não está a evoluir positivamente, com diminuições dentro dos setores.

“No atual período de recuperação da economia portuguesa, a produtividade por trabalhador no conjunto da economia tem diminuído. De acordo com a evidência disponível, esta diminuição está associada a quedas da produtividade intrassetoriais”, lê-se no comunicado do Banco de Portugal. O banco central nacional aconselha, assim, a que se procure tomar medidas para impulsionar a produtividade.

“Para que [a economia portuguesa] consiga aproximar-se dos níveis de rendimento europeus, é fundamental continuar a assegurar um quadro de estabilidade macroeconómica, promover o crescimento potencial e a produtividade, o que, por sua vez, implica aumentar o investimento de qualidade e o nível de educação da mão-de-obra“, lê-se ainda no Boletim.

O Boletim Económico refere-se ao ano de 2017, fazendo um retrato da economia portuguesa durante o ano passado. O PIB per capita aumentou mais em Portugal (2,9%) do que na média da Zona Euro (2,2%), refere o banco central, acrescentando ainda que o crescimento desacelerou na segunda metade do ano.

O endividamento das famílias e das empresas, medido em percentagem do PIB, diminuiu. A taxa de poupança das famílias situou-se em 5,4% do rendimento disponível em 2017 (5,9% em 2016), traduzindo um crescimento nominal do consumo privado ligeiramente superior ao do rendimento disponível”, acrescenta o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia recupera, mas Banco de Portugal alerta para queda da produtividade por trabalhador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião