Inovação e investimento com ‘sede’ em Braga. Arranca Semana da Economia

  • ECO + InvestBraga
  • 18 Maio 2018

A InvestBraga organiza de 21 a 25 de maio a terceira edição da Semana da Economia, para assinalar quatro anos de atividade e apresentar o trabalho realizado nas suas diversas áreas de atuação.

Braga vai ser, a partir do dia 21 de maio, a ‘sede’ nacional da inovação e do investimento, com a realização da Semana da Economia e, no dia 23, com o Fórum Económico. O evento promovido pela InvestBraga, que vai envolver o tecido empresarial e industrial de Braga, startups e várias entidades parceiras, será uma mostra do potencial económico e de inovação do concelho e da região. Com esta edição, dedicada à Inovação e Investimento, a InvestBraga pretende afirmar a sua visão para o modelo económico da região: Passar do conceito “made in Braga”, para o “invented/designed in Braga”.

O programa ao longo da semana, que foi desenhado para mostrar os principais fatores atrativos da região para a captação de investimento, contará com as presenças do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral; do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes e da Secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, entre muitas outras individualidades.

A InvestBraga preparou um programa diversificado, que integra vários “Open Days” em empresas de referência na região (com o objetivo de dar a conhecer os bons exemplos empresariais do concelho), mas também diversas talks, conferências, jornadas e o Fórum Económico. A maior parte dos eventos está abertos ao público mediante o pré-registo.

O ponto alto da Semana da Economia é o Fórum Económico, que vai realizar-se no dia 23, no Fórum Braga, a partir das 14h30. Sob o tema “Inovação e Investimento”, o Forum contará com a presença do Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral na abertura da sessão. Nesta ocasião, além de um balanço de toda a atividade da InvestBraga e da apresentação da atualização do Plano Estratégico de Desenvolvimento Económico de Braga 2014-2026, haverá um painel dedicado ao tema Inovação e Investimento, que conta com a participação do keynote speaker, Doug Hart do MIT. No debate, estarão Luís Castro Henriques (Presidente da AICEP), Carlos Ribas (Administrador da Bosch em Portugal) e António Cunha (Universidade do Minho), além da secretária de Estado da Indústria, Ana Lehman.

Haverá também espaço para a discussão de temas macro do presente e futuro do país, num ECO Talks conduzido por António Costa com o advogado e comentador político, Luís Marques Mendes.

Outro grande destaque da Semana da Economia é a conferência “Supercomputação e Data Science… de Braga para o Mundo”. Num altura em que Universidade recebe o maior supercomputador nacional, Braga quer afirmar-se como o centro de competências e excelência para a Supercomputação e Data Sciense. O evento terá três momentos: “O futuro da supercomputação e da data science”, um segundo momento dedicado à “Supercomputação e data science na economia” e um último momento, onde algumas empresas nacionais apresentarão o seu testemunho sobre o “advanced computing”.

Prevista para o dia 23 de maio está também a inauguração do novo Centro de Engenharia da APTIV (antiga Delphi), um investimento que marcará uma nova fase da multinacional, com a contratação de 150 engenheiros nos próximos dois anos. Esta inauguração é mais um sinal da capacidade de Braga para atrair investimento em centros de engenharia e inovação e é uma prova do dinamismo económico que se vive na cidade.

De salientar ainda outros quatro eventos que decorrerão na Semana da Economia: No dia 24 de maio (5ª feira) de manhã vai realizar-se no Forum Braga uma conferência intitulada “Turismo de Negócios: Uma aposta no Futuro”, que pretende mostrar como Braga está a posicionar-se, após a abertura do Forum Braga, para ser uma cidade de referência no país e na Galiza para a realização de grandes eventos. Ainda da parte da manhã, as grandes questões sobre o mundo dos impostos serão debatidas nas Jornadas da Fiscalidade, que contarão com a presença de Rui Leão Martinho, Bastonário da Ordem dos Economistas, de vários responsáveis da consultora PWC, bem como de diversos especialistas na área do direito fiscal.

No mesmo dia, mas da parte da tarde, será realizado o Demo Day da Startup Braga, onde as startups que fazem parte da 5ª edição do programa de aceleração da Startup Braga irão fazer os seus pitch’s.

Já no dia seguinte, dia 25, a conferência “Evolução Digital na Construção e nas Cidades”, que se realizará no Forum Braga entre as 9h00 e as 17h30, vai trazer a Braga um painel de prestigiados convidados nacionais e internacionais que irá abordar os temas relacionados com a construção na era do digital, a economia circular e as smart cities. Este evento contará com a presença do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que falará sobre o tema da Economia Circular.

Recorde-se que as atividades da Semana da Economia são gratuitas, no entanto, os interessados em participar nestes eventos terão de fazer obrigatoriamente a sua inscrição devido ao limite de capacidade das salas onde os eventos se irão realizar. As inscrições podem ser feitas online através dos seguintes links:

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Inovação e investimento com ‘sede’ em Braga. Arranca Semana da Economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião