Carta aberta de notáveis do Sporting aos jogadores “Não virem as costas ao nosso clube”

Notáveis do Sporting pedem aos jogadores para não rescindirem os contratos por justa causa. "Não virem as costas ao nosso clube", escrevem numa carta aberta sem referências a Bruno de Carvalho.

“Não virem as costas ao nosso clube”. É este o apelo, quase dramático, de um 32 associados do Sporting, numa carta aberta dirigida aos jogadores, e sem nunca referir, uma única vez, o nome do presidente Bruno de Carvalho, antecipam uma chuva de pedidos de rescisão por justa causa que, a confirmar-se, poderá pôr em causa a própria viabilidade da SAD do clube. Na carta, a que o ECO teve acesso e que tem 32 assinaturas, os jogadores são convidados a fazer “um pacto de sangue verde e branco” já a partir de segunda-feira.

Estes notáveis, entre os quais estão nomes como os de Pires de Lima, Jorge Coelho, Pedro Santana Lopes, Diogo Lacerda Machado e Filipe Botton, começam por salientar a “total solidariedade pela situação vivida e que se está a viver, não só enquanto atletas profissionais, mas também enquanto homens, filhos ou pais de família”, na sequência da invasão da Academia de Alcochete e das agressões de que foram albo os jogadores e o treinador Jorge Jesus. Mas esta carta aberta, divulgada depois de mais uma conferência de Imprensa de Bruno de Carvalho, este sábado, em que responsabiliza os jogadores pelo que sucedeu, tem um objetivo claro: Evitar os previsíveis pedidos de rescisão por justa causa dos principais jogadores do clubes.

Nos últimos dias, sucederam-se as notícias sobre a possibilidade de os jogadores mais relevantes do plantel, como Bruno Fernandes, Bas Dost, Rui Patrício, William carvalho ou Gelson Martins, avançarem para pedidos de resolução do contrato laboral por justa causa. Aliás, como o ECO noticiou, a própria administração da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Sporting já antecipa pedidos de rescisão contratual por justa causa de jogadores nos próximos dias por causa da violência na Academia de Alcochete. “Se este horrível acontecimento for motivo para rescisão por justa causa, o paradigma do mercado futebolístico, tal e qual o conhecemos hoje, ficaria posto em causa”, afirmou, em tom de aviso, o administrador com o pelouro financeiro, Carlos Vieira, na mesma conferência em que Bruno de Cavalho garantiu que não se demitiria.

“Há um dia seguinte e há um caminho”, escrevem os subscritores desta carta. Sem nunca se referirem ao jogo da final da Taça de Portugal, olham já para o dia seguinte, e para o que pode vir a suceder. “Há um dia seguinte e há um caminho. Porque há gente com o ‘Sporting no sangue’”, que como nós, são sócios adeptos e simpatizantes espalhados pelo mundo, dos mais humildes aos mais bem posicionados na sociedade nos seus diversos setores”. Mais à frente, acrescentam: “A nossa história precisa e merece o vosso contributo e responsabilidade. Dentro, mas também fora das quatro linhas (…) Não virem as costas ao nosso Clube. Demonstrem uma vez mais que têm o “Sporting no sangue” (…) e assumam connosco, já a partir de segunda-feira, um pacto de sangue, verde de esperança”.

Quem assina esta carta aberta?

  • António Esteves
  • António Pires de Lima
  • Bernardo Trindade
  • Carlos Barbosa da Cruz
  • Carmona Rodrigues
  • Diogo Lacerda Machado
  • Fernando Faria de Oliveira
  • Filipe de Botton
  • Filipe Soares Franco
  • Francisco Calheiros
  • Francisco Soares dos Santos
  • Gonçalo de Sampaio
  • João Viegas Soares
  • João Marques Cruz
  • João Xara-Brasil
  • Jorge Coelho
  • José Vera Jardim
  • Luís Cortes Martins
  • Luís Marques
  • Luís Palha da Silva
  • Marco Lebre
  • Mário David
  • Mário Patrício
  • Miguel Frasquilho
  • Miguel Salema Garção
  • Nicolau Santos
  • Nuno Fernandes Thomaz
  • Paulo Núncio
  • Paulo Portas
  • Pedro Baltazar
  • Pedro Santana Lopes
  • Tomás Froes

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carta aberta de notáveis do Sporting aos jogadores “Não virem as costas ao nosso clube”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião