PGR favorável a transferência de custos com tarifa social do gás natural para empresas

  • Lusa
  • 25 Maio 2018

Os custos com a tarifa social do gás natural vão ser transferidos para as empresas, deixando de ser suportados pelos consumidores.

O Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) deu “luz verde” à transferência dos custos com a tarifa social do gás natural para as empresas transportadoras e comercializadoras, deixando de recair sobre a globalidade dos consumidores.

O Governo homologou o parecer do Conselho Consultivo da PGR, que determina que “o financiamento da tarifa social deve ser imputado a todas as empresas transportadoras e comercializadoras de gás natural“, como estava previsto no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018). “A tarifa social […] deve ser financiada por todas as empresas de transporte, incluindo-se aqui o transporte que é feito através de redes de distribuição, e por todas as empresas de comercialização, na proporção do gás, respetivamente, comercializado no ano anterior”, lê-se no parecer a que a Lusa teve acesso.

O parecer realça que os custos com a tarifa social, um desconto às famílias economicamente desfavorecidas, não podem ser repercutidos na fatura dos consumidores em geral. Esta alteração no financiamento da tarifa social do gás natural (de cerca de 1,4 milhões de euros) foi introduzida pelo artigo 209.º do Orçamento do Estado para 2018, mas a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) levantou dúvidas sobre o texto legislativo.

Quando divulgou a proposta de tarifas reguladas para vigorar a partir de 1 de julho, a ERSE referiu a existência de “dúvidas interpretativas quanto aos termos da norma” 209.º do OE2018, que já tinha pedido uma clarificação da norma à Assembleia da República. Entretanto, o Governo pediu parecer ao Conselho Consultivo da PGR, que foi homologado esta semana.

Atualmente, segundo dados do Governo, existem 35 mil agregados familiares a beneficiar de tarifa social do gás natural, instrumento que foi criado em 2011, tendo em 2016 passado a ser atribuído de forma automática, tal como a tarifa social de eletricidade. Até este ano, os custos com a tarifa social no gás natural – um desconto de 31,2%eram suportados pelos outros consumidores, mas agora serão transferidos para empresas e não só comercializadoras – como acontece na eletricidade -, mas também para as de transporte (que inclui a REN).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR favorável a transferência de custos com tarifa social do gás natural para empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião