Chefe da missão do FMI para Portugal defende poupanças nos salários da Função Pública

  • ECO
  • 1 Junho 2018

Alfredo Cuevas ocupa o cargo de chefe da missão do FMI para Portugal desde 2007. Diz-se "impressionado" com os resultados conseguidos por Centeno, mas sugere poupanças na Função Pública.

Alfredo Cuevas elogia a consolidação das contas portuguesas, mas não deixa de notar algumas fragilidades na economia nacional. O chefe da missão do FMI para Portugal diz-se impressionado com os resultados orçamenteis conseguidos e adianta que os considera sustentáveis. Ainda assim, defende que, a curto prazo, seria mais prudente reforçar a poupança, nomeadamente no que diz respeito aos custos com pessoal da Função Pública.

“Ficámos muito impressionados com os resultados. Foram melhores do que nós, e todos os observadores, esperávamos”, sublinha o responsável em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago). Alfredo Cuevas garante que esses resultados são sustentáveis, tendo em conta que a economia continuou a crescer com a consolidação das contas públicas, e acrescenta ser “muito difícil imaginar um choque suficientemente grande” para mudar esse cenário.

Apesar disso, o chefe da missão do FMI para Portugal sugere que “onde se pode procurar poupanças é nos custos com salários” e aconselha um cálculo cuidadoso da procura e oferta dos serviços públicos. “Quanto ao do peso dos salários no PIB, seria importante que diminuísse”, determina.

Há que pensar onde é que os funcionários públicos são melhor aproveitados. É preciso flexibilidade porque os objectivos mudam. Quanto ao do peso dos salários no PIB, seria importante que diminuísse.

Alfredo Cuevas

Chefe de missão do FMI para Portugal

O responsável explica que é preciso pensar nos gastos salariais “como um conjunto dentro do orçamento”, que acaba por usar “recursos que podem servir outros propósitos”. “Gostaríamos de encorajar a manutenção de um nível de investimento público, de ver um pouco mais de antecipação do esforço orçamental”, nota.

Sobre o Programa de Estabilidade, Cuevas reforça que, mesmo com a aproximação das eleições, não se optou por uma “expansão significativa da política orçamental”. Deste modo, o objetivo presente no PEC é “continuar a melhorar o saldo orçamental”, enfatiza.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chefe da missão do FMI para Portugal defende poupanças nos salários da Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião