Chefe da missão do FMI para Portugal defende poupanças nos salários da Função Pública

  • ECO
  • 1 Junho 2018

Alfredo Cuevas ocupa o cargo de chefe da missão do FMI para Portugal desde 2007. Diz-se "impressionado" com os resultados conseguidos por Centeno, mas sugere poupanças na Função Pública.

Alfredo Cuevas elogia a consolidação das contas portuguesas, mas não deixa de notar algumas fragilidades na economia nacional. O chefe da missão do FMI para Portugal diz-se impressionado com os resultados orçamenteis conseguidos e adianta que os considera sustentáveis. Ainda assim, defende que, a curto prazo, seria mais prudente reforçar a poupança, nomeadamente no que diz respeito aos custos com pessoal da Função Pública.

“Ficámos muito impressionados com os resultados. Foram melhores do que nós, e todos os observadores, esperávamos”, sublinha o responsável em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago). Alfredo Cuevas garante que esses resultados são sustentáveis, tendo em conta que a economia continuou a crescer com a consolidação das contas públicas, e acrescenta ser “muito difícil imaginar um choque suficientemente grande” para mudar esse cenário.

Apesar disso, o chefe da missão do FMI para Portugal sugere que “onde se pode procurar poupanças é nos custos com salários” e aconselha um cálculo cuidadoso da procura e oferta dos serviços públicos. “Quanto ao do peso dos salários no PIB, seria importante que diminuísse”, determina.

Há que pensar onde é que os funcionários públicos são melhor aproveitados. É preciso flexibilidade porque os objectivos mudam. Quanto ao do peso dos salários no PIB, seria importante que diminuísse.

Alfredo Cuevas

Chefe de missão do FMI para Portugal

O responsável explica que é preciso pensar nos gastos salariais “como um conjunto dentro do orçamento”, que acaba por usar “recursos que podem servir outros propósitos”. “Gostaríamos de encorajar a manutenção de um nível de investimento público, de ver um pouco mais de antecipação do esforço orçamental”, nota.

Sobre o Programa de Estabilidade, Cuevas reforça que, mesmo com a aproximação das eleições, não se optou por uma “expansão significativa da política orçamental”. Deste modo, o objetivo presente no PEC é “continuar a melhorar o saldo orçamental”, enfatiza.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Chefe da missão do FMI para Portugal defende poupanças nos salários da Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião