Ministro da Ciência espera financiamento europeu entre 250 a 300 milhões de euros para Portugal

  • Lusa
  • 4 Junho 2018

Manuel Heitor, indicou esta segunda-feira que o objetivo de Portugal para o próximo programa da Comissão Europeia de apoio à investigação é obter um financiamento entre 250 a 300 milhões de euros.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, indicou esta segunda-feira que o objetivo de Portugal para o próximo programa da Comissão Europeia de apoio à investigação é obter um financiamento entre 250 a 300 milhões de euros.

“Há ainda uma grande parte do financiamento que está fechado, sobretudo às grandes parcerias lideradas pelo centro e norte da Europa, e queremos abrir esse financiamento”, articulando “melhor os fundos competitivos com os fundos de coesão e estruturais e reduzindo a burocracia”, disse à agência Lusa Manuel Heitor, à margem do debate “O Futuro da Ciência em Portugal”, que decorreu no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), no Porto.

Através do Horizon Europe, o próximo programa-quadro para a Investigação e Inovação da Comissão Europeia, que estará em vigor entre 2021 e 2028, o ministro espera ver o financiamento em investigação em Portugal aumentar de 1,6% para 2%.

Manuel Heitor, que considerou haver “burocracia a mais na Europa”, frisou que é preciso “garantir uma maior distribuição das verbas na Europa”, para que Portugal consiga “trabalhar com os melhores e não estar sujeito a fluxos unidirecionais”.

“Queremos criar uma estratégia para aumentarmos a capacidade de ter, pelo menos, 2% do financiamento disponível para o programa-quadro, aumentando dos 1,6% atribuídos no programa Horizonte 2020”, tentando captar, por ano, “entre 250 a 300 milhões de euros”, salientou.

Para o ministro, cuja intervenção no debate se focou na posição de Portugal perante o novo programa-quadro, a política científica “só se pode fazer com cientistas e ciência“.

Este debate, “no meio de muitos que temos vindo a desenvolver, tem como objetivo não apenas consciencializar os cientistas sobre a dificuldade dos tempos em que vivemos, mas também garantir que a política científica resolve os problemas reais dos cientistas”, afirmou.

Segundo Manuel Heitor, o emprego científico é, atualmente, “um problema em todo o mundo”, particularmente na Europa e nas zonas do sul da Europa, como Portugal, requerendo, por isso, “instituições fortes e uma cultura dentro da própria academia”.

“O que hoje aqui ficou claro é que este relacionamento entre a universidade e a ciência, que é perfeitamente crítico, tem que ultrapassar desafios atuais e ir para novos patamares de maturidade”, acrescentou.

De acordo com o ministro, não bastam os fundos nacionais disponíveis para a ciência, sendo necessário captar os fundos estruturais e competitivos europeus.

O debate de hoje, organizado por investigadores do I3S, tinha como objetivo debater a política de investigação e inovação em Portugal, numa altura em que se discute o Horizon Europe, o próximo Programa Quadro para a Investigação e Inovação da Comissão Europeia.

O debate contou com a participação do presidente da Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República, Alexandre Quintanilha, do presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), Paulo Ferrão.

O presidente do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC-TEC), José Manuel Mendonça, a diretora do Centro de Investigação da Montanha – CIMO do Instituto Politécnico de Bragança, Isabel Ferreira, e o presidente do i3S, Mário Barbosa, fizeram igualmente parte da iniciativa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro da Ciência espera financiamento europeu entre 250 a 300 milhões de euros para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião