Todos os carros a diesel poluem mais do que o permitido na Europa. Emissões são o dobro do limite

Testes a mais de 700 mil automóveis e a 4.850 modelos em toda a Europa mostram que as emissões são sempre superiores ao permitido. Em condições reais, gases são o dobro da norma europeia.

Os motores a gasóleo poluem… e muito. A conclusão é da International Council on Clean Transportation (ICCT), a organização norte-americana sem fins lucrativos que expôs as emissões falseadas da Volkswagen, depois de realizar testes a quase cinco mil modelos a diesel. Nenhum destes novos automóveis conseguiu cumprir com os limites de emissões de gases definidos na União Europeia (UE) em condições reais de condução.

Foram realizados testes a mais de 700 mil automóveis e a 4.850 modelos em toda a Europa, procurando dar informação fiável sobre as emissões de óxido de azoto dos motores a gasóleo. Os resultados “confirmaram os piores receios em relação aos carros a gasóleo”, diz a ICCT, citada pelo Financial Times (acesso pago).

A ICCT diz que os motores a gasolina mais potentes apresentaram 1,5 vezes mais emissões do que o limite, mas os diesel fizeram bem pior. Mesmo os mais “amigos do ambiente”, que cumprem a norma Euro 6, registaram mais do dobro do permitido em testes realizados em condições reais de utilização. Os Euro 5, a norma antiga, apresentaram emissões 18 vezes superior ao definido na UE.

Podemos concluir que praticamente todos os motores a gasóleo com a norma Euro 6 não são limpos“, diz o estudo da ICCT que vem, assim, aumentar a pressão sobre os motores a gasóleo. A “guerra” contra os diesel intensificou-se depois do escândalo de manipulação de emissões da Volkswagen, conhecido como dieselgate.

Ainda recentemente, Elzbieta Bienkowska, comissária europeia com as pastas do mercado interno, indústria, empreendedorismo e PME, veio afirmar que “os carros a diesel estão acabados”. A responsável polaca classificou mesmo esta de “uma tecnologia ultrapassada”, rematando que “dentro de poucos anos eles [carros com motores a gasóleo] irão desaparecer completamente”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Todos os carros a diesel poluem mais do que o permitido na Europa. Emissões são o dobro do limite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião