UTAO estima défice de 1% no 1.º trimestre

  • Lusa
  • 8 Junho 2018

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental estima que o défice "se tenha situado entre 0,3% e 1,7% do PIB" em contas nacionais, o que significa que o valor central da estimativa ficou em 1% do PIB.

O défice deve ter ficado em 1% do PIB no primeiro trimestre, uma melhoria face ao mesmo período de 2017, mas acima da previsão do Governo para o conjunto de 2018, estima a UTAO.

Na nota sobre a execução orçamental até abril, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estima que o défice “se tenha situado entre 0,3% e 1,7% do PIB” em contas nacionais, ou seja, a ótica dos compromissos que conta para Bruxelas, o que significa que o valor central da estimativa ficou em 1% do PIB. A confirmar-se este valor de 1%, o défice do primeiro trimestre deste ano desce 9,6 pontos percentuais em relação ao do mesmo período do ano passado, quando ocorreu a operação de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 3,9 mil milhões.

Já excluindo medidas extraordinárias, o défice diminui 1,1 pontos percentuais em termos homólogos, anteveem os especialistas que apoiam o parlamento. Apesar desta melhoria face ao período homólogo, a estimativa da UTAO para o primeiro trimestre deste ano “deverá ter ficado abaixo do objetivo estabelecido inicialmente no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), embora acima da estimativa revista para 2018 apresentada no Programa de Estabilidade 2018-2022″.

Recorde-se que, no OE2018, apresentado em outubro, o Governo apresentou uma estimativa de défice orçamental de 1% do PIB no conjunto deste ano – que depois subiu para 1,1% quando foram introduzidas várias medidas de resposta, prevenção e combate aos incêndios. No Programa de Estabilidade 2018-2022, o Governo reviu a meta do défice para 0,7% do PIB para este ano, o que motivou críticas dos parceiros parlamentares.

“Em termos nominais, o défice do primeiro trimestre deverá ter representado cerca de 31% do défice orçamental previsto para o conjunto do ano no âmbito do PE/2018-22. Contudo, importa salientar que a estimativa realizada para o 1.º trimestre incorpora informação ainda muito parcelar, na medida em que diz respeito a apenas um trimestre do ano, não sendo por isso forçosamente indicativa do desempenho orçamental esperado para o conjunto do ano”, salvaguarda a UTAO.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) conta divulgar as Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional dia 22 de junho. Na análise enviada aos deputados da Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, que data de 4 de junho, a UTAO afirma que a dotação orçamental para o descongelamento de carreiras na administração central (130 milhões de euros) “não foi utilizada até ao final de abril”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UTAO estima défice de 1% no 1.º trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião