Acordo entre EUA e Coreia do Norte anima Wall Street

  • Rita Atalaia
  • 12 Junho 2018

O presidente dos EUA e o líder da Coreia do Norte assinaram um acordo histórico. Um passo que levou as principais bolsas norte-americanas a subirem na abertura desta sessão.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, assinaram um acordo para estabelecer um “regime de paz”, depois de um encontro histórico que teve como principal objetivo desnuclearizar a península coreana. Este passo entre os dois países animou os mercados, com as principais bolsas norte-americanas a abrirem com ganhos ligeiros.

Neste contexto, o Dow Jones subia 0,11% para 25.349,36 pontos, enquanto o S&P 500 avançava 0,11% para 2.785,10 pontos. Já o tecnológico Nasdaq valorizava 0,29% para 7.681,93 pontos, numa reação ao resultado da cimeira entre os EUA e a Coreia do Norte.

“Não penso que haja uma grande surpresa. E é por isso que os mercados não estão a reagir de forma significativa. Trump não iria lá [a Singapura] se não fosse para assinar alguma coisa”, afirmou Paul Tudor Jones, gestor de hedge fund, à CNBC.

A cimeira histórica entre o presidente dos EUA e o líder da Coreia do Norte realizou-se em Singapura e o seu arranque foi marcado por um histórico aperto de mão entre Donald Trump e Kim Jong-un. Trump disse esperar que a desnuclearização da península aconteça “muito, muito rapidamente”, segundo a Reuters.

No acordo assinado, os dois países comprometem-se a estabelecer uma nova relação de acordo com o desejo de paz e prosperidade dos povos de ambos os países. Mas há mais pontos: unir esforços para criar um regime pacífico estável e duradouro na península coreana; reafirmar a declaração de 27 abril na qual a Coreia do Norte se compromete a trabalhar para uma total desnuclearização da península e, finalmente os dois países comprometem-se a recuperar os prisioneiros de guerra remanescentes, incluindo a repatriação imediata daqueles que já foram identificados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo entre EUA e Coreia do Norte anima Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião