Trump e Kim assinam acordo. Tudo vai mudar, prometem

Trump disse "não ter dúvidas" de que vai ter um "ótimo relacionamento" com o líder norte-coreano Kim Jong-un frisou "decidiram deixar o passado para trás". "O mundo vai assistir a uma grande mudança"

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, assinaram esta terça-feira um acordo, um documento “abrangente” depois de um encontro histórico que tinha como principal objetivo desnuclearizar a península coreana. No início da cimeira Trump disse “não ter dúvidas” de que vai ter um “ótimo relacionamento” com o líder norte-coreano Kim Jong-un.

“Antigos preconceitos e velhos hábitos têm sido obstáculos, mas superámos todos para nos encontrarmos aqui hoje”, disse por sua vez vez o líder norte-coreano. Kim frisou ainda que os dois líderes “decidiram deixar o passado para trás”. “O mundo vai assistir a uma grande mudança”, acrescentou

A cimeira histórica entre o Presidente dos Estados Unidos e o líder da Coreia do Norte teve início hoje, em Singapura, com um histórico aperto de mão entre Donald Trump Kim Jong-un. Trump disse esperar que a desnuclearização da península aconteça “muito, muito rapidamente”, segundo a Reuters. Os mercados aplaudem o resultado: o dólar atingiu um máximo de três semanas e as ações nos mercados asiáticos revelaram alguma volatilidade com a notícia.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald J. Trump (direita) e o líder norte-coreano, Kim Jong-un (esquerda) apertaram a mão durante o primeiro encontro histórico entre os dois líderes no Hotel Capella na ilha de Sentosa, em Singapura. EPA/KEVIN LIM

No acordo assinado, os dois países comprometem-se a estabelecer uma nova relação de acordo com o desejo de paz e prosperidade dos povos de ambos os países. Mas há mais pontos: unir esforços para criar um regime pacífico estável e duradouro na península coreana; reafirmar a declaração de 27 abril na qual a Coreia do Norte se compromete a trabalhar para uma total desnuclearização da península e, finalmente os dois países comprometem-se a recuperar os prisioneiros de guerra remanescentes, incluindo a repatriação imediata daqueles que já foram identificados.

Este é o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang. Este encontro histórico ocorre depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.

A cimeira começou pelas 9h00 de terça-feira (2h00 em Lisboa), no hotel Capella em Singapura, e resulta de uma corrida contra o tempo — com uma frenética atividade diplomática em Washington, Singapura, Pyongyang e na fronteira entre as duas Coreias –, em que houve anúncios, ameaças, cancelamentos e retratações surpreendentes.

As equipas do Presidente dos Estados Unidos e do líder norte-coreano iniciaram uma reunião alargada, após um primeiro encontro de cerca 40 minutos entre os dois líderes, sem conselheiros e apenas com os tradutores.

Já os líderes foram dar um passeio pelos jardins do hotel, após o almoço, e Trump garantiu uma vez mais que a cimeira correu “melhor do alguém poderia esperar”.

À chegada à sala onde o encontro está a decorrer, Trump mostrou-se confiante de que ele e Kim Jong-un vão “resolver um grande problema, um grande dilema”.

(Notícia atualizada com detalhes do acordo)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump e Kim assinam acordo. Tudo vai mudar, prometem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião