Audições dos CMEC já têm data. Comissão vai seguir “fita do tempo”, começando em 2004

  • Lusa
  • 14 Junho 2018

A primeira audição da comissão de inquérito ficou agendada para dia 27, tendo ficado decidido que os depoimentos serão feitos na "fita do tempo", começando em 2004.

A primeira audição da comissão de inquérito às rendas da energia foi agendada para dia 27, começando pelos especialistas, tendo ficado decidido que os seguintes depoimentos serão feitos na “fita do tempo”, começando em 2004.

No final de uma reunião de coordenadores da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores elétricos, que decorreu à porta fechada, a deputada do PSD, Maria das Mercês Borges, que preside à comissão, explicou que foi consensualizado que serão primeiro ouvidos cinco especialistas.

A primeira audição será em 27 de junho, com o professor Pedro Miguel Sampaio Nunes. “Depois serão feitas as audições, de uma forma geral, por ordem cronológica. O andamento dos trabalhos será feito na fita do tempo. Começa em 2004 e será a partir daí”, explicou a presidente da comissão.

Na lista dos especialistas estão ainda João Peças, Mira Amaral, Clemente Nunes e David Newbery. “Estes são os nomes que estão consensualizados, vamos continuar os nossos trabalhos”, acrescentou.

Maria das Mercês Borges adiantou que a comissão de inquérito vai “tentar preencher o mais possível todas as disponibilidades” que tem até ao final da presente sessão legislativa, admitindo que se conseguisse fazer 20 audições neste período “seria um bom número”.

A comissão de inquérito já tinha reunido, antes do plenário, tendo aprovado, por unanimidade, todos os requerimentos dos partidos para audições, chamando assim 100 personalidades, entre as quais todos os primeiros-ministros entre 2004 e 2018, incluindo António Costa. “Acabámos de aprovar, por unanimidade, a audição de 100 individualidades e mais 17 entidades. Destas entidades há seis cujos nomes dos presidentes constam das 100 individualidades”, disse, então, a presidente da comissão parlamentar de inquérito.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Audições dos CMEC já têm data. Comissão vai seguir “fita do tempo”, começando em 2004

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião