Tensão entre EUA e China continua a penalizar Wall Street. Dow Jones perde mais de 1%

  • ECO
  • 19 Junho 2018

Os investidores continuam de olhos postos na escalada da tensão entre EUA e China. As ameaças continuam a surgir dos dois lados, pressionado os mercados norte-americanos.

A escalada da tensão entre Estados Unidos e China continua a assustar os mercados norte-americanos, que encerraram no vermelho esta terça-feira. A guerra comercial empurrou os três principais índices para terreno negativo, com o Dow Jones a perder mais de 1%.

O S&P500 encerrou a segunda sessão da semana a cair 0,4%, para 2.762,57 pontos. Já o tecnológico Nasdaq desvalorizou 0,28%, para 7.725,585 pontos, enquanto o industrial Dow Jones perdeu 1,15%, para 24.700,21 pontos.

Depois de, na semana passada, o Presidente norte-americano ter anunciado a imposição de tarifas alfandegárias de 25% sobre importações chinesas de 50 mil milhões de dólares — o que levou a China a anunciar taxas de 25% sobre um conjunto de produtos norte-americanos –, Donald Trump ameaça agora com taxas suplementares de 10% sobre importações no valor de 200 mil milhões de dólares.

Mas Pequim também já respondeu ao anúncio mais recente do líder norte-americano e avisou que vai retaliar. “Se os Estados Unidos perdem o bom senso e publicam uma lista [de produtos visados], a China ver-se-á na obrigação de adotar uma combinação de medidas quantitativas e qualitativas em forma de enérgicas represálias”, indicou o ministério chinês do Comércio, em comunicado citado pela Lusa.

“Os investidores estão a acordar para a ideia de que toda a retórica sobre comércio poderia ser mais do que apenas uma tática de negociação”, afirmou Emily Roland, da John Hancock Investments, em Boston, citada pela agência Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão entre EUA e China continua a penalizar Wall Street. Dow Jones perde mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião