? A crise do Sporting, do pontapé de saída ao apito final

Pontapé de saída

A derrota contra o Atlético de Madrid, por 2-1, na primeira mão dos quartos de final da Liga Europa, não agradou a Bruno de Carvalho. Foi na noite de 6 de abril que o presidente do clube leonino desencadeou um conflito com os jogadores, depois de mostrar desagrado com o resultado e a performance da equipa, através de um post no Facebook.

O plantel respondeu ao presidente, também pelas redes sociais: os jogadores recusaram-se a treinar, mas acabaram por vencer os dois confrontos seguintes. Por essa altura, Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral, exige a demissão de Bruno de Carvalho. O presidente acabou por pedir a marcação de uma AG para discutir a sua continuidade na liderança do clube.

Invasão de campo

Na última jornada do campeonato, a derrota contra o Marítimo empurrou o Sporting para o terceiro lugar e para fora da Champions. O apuramento para a competição iria garantir a entrada de, pelo menos, 20 milhões de euros nos cofres do clube.

Durante o treino de preparação para a final da Taça de Portugal, na tarde de 15 de maio, um grupo de 50 adeptos invadiu a Academia de Alcochete. Armados e de cara tapada, chegaram a agredir jogadores e equipa técnica. No dia seguinte, o comunicado da GNR dava conta de 23 detidos, todos pertencentes à JuveLeo.

As reações ao ataque vieram de todos os lados, do clube aos adeptos. Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa, Ferro Rodrigues, Fernando Medina, e até a Altice Portugal, patrocinadora oficial do clube, mostraram o “repúdio” pelos atos de violência cometidos.

Os jogadores apresentaram, nessa noite, queixa na GNR, e o Ministério Público começou a investigar o ataque. Estava, assim, oficializada a crise no Sporting.

Pressão na área

Dois dias depois do ataque na Academia de Alcochete, demite-se em bloco o Conselho Fiscal e Disciplinar do clube, deixando assim de haver quórum para tomada de decisões relativas à fiscalização da direção do conselho diretivo do clube. Logo de seguida, ainda a 17 de maio, a Mesa da Assembleia Geral (MAG) – presidida por Jaime Marta Soares –, também anuncia a demissão. Contudo, volta atrás horas mais tarde.

O presidente da MAG apela à saída de Bruno de Carvalho. O líder do clube leonino considera Marta Soares demissionário. Agravou-se assim o braço de ferro entre os dois.

O “dia mais triste”

No final da reunião de órgãos sociais do Sporting, a 24 de maio, Marta Soares anuncia a Assembleia Geral para destituir Bruno de Carvalho e a direção, a 23 de junho.

“Hoje é um dos dias mais tristes que vivi no Sporting”, confessa Bruno de Carvalho na conferência de imprensa que se seguiu ao anúncio. Explica que a decisão põe em causa o empréstimo obrigacionista de 15 milhões de euros e acusa Marta Soares de estar a “lançar uma bomba atómica”.

Situação financeira agrava-se

A instabilidade no clube leva a CMVM a travar o empréstimo obrigacionista que deveria arrancar a 28 de maio. Com a iminência da rescisão de contratos por parte dos jogadores, e contas para pagar, a situação financeira do Sporting agrava-se.

Nove em fora de jogo

O primeiro foi Rui Patrício. O Sporting enviou um comunicado à CMVM a dar conta da rescisão unilateral do guarda-redes, a 1 de junho. Mais oito jogadores seguiram o capitão de equipa até à data limite de apresentação de rescisões. Bas Dost, Bruno Fernandes, Gelson, William, Podence, Rafael Leão, Ruben Ribeiro e Battaglia também deixaram o clube. O valor de mercado destes jogadores corresponde a 60% do valor do plantel, ou seja, a cerca de 150 milhões de euros.

Bruno de Carvalho suspenso. Ou não

Entretanto, são criados mais dois órgãos sociais: Marta Soares forma a Comissão de Fiscalização, para exercer as funções do Conselho Fiscal, até à Assembleia Geral. Em resposta, Bruno de Carvalho funda a Comissão Transitória da Mesa da Assembleia, para substituir a MAG demissionária de Marta Soares.

A Comissão de Fiscalização anuncia, a 13 de junho, a suspensão imediata do Conselho Diretivo do Sporting. Bruno de Carvalho afirma que “não reconhece legitimidade a esta comissão de fiscalização”, em declarações à SIC Notícias.

O quarto árbitro

Para assegurar a realização da Assembleia Geral, Marta Soares avança com duas providências cautelares. O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa proíbe as AG marcadas pela Comissão Transitória da MAG. As reuniões, que deveriam acontecer a 17 e 21 de junho, são consideradas ilegais. É também deliberado que a direção leonina seja obrigada a entregar os cadernos eleitorais ao presidente da MAG, e a pagar a realização da Assembleia Geral de dia 23 de junho que, segundo o Público, teriam o valor de 80 mil euros.

Cartão vermelho para a SAD

A PWC, auditor da SAD do Sporting, alertou a CMVM de que as rescisões apresentadas pelos jogadores mais valiosos do plantel podem ser uma ameaça concreta para a continuidade das operações da SAD. O aviso chega durante a madrugada de 19 de junho, através de um comunicado publicado pela SAD na CMVM. Nesse documento, Bruno de Carvalho responde ao auditor, referindo que o “conselho de administração considera que a continuidade das operações da SAD se encontra assegurada”.

Apito final

A Assembleia Geral do Sporting vai finalmente realizar-se este sábado. A destituição do Conselho Diretivo fica a depender dos sócios. A reunião magna tem início marcado para as 14h00, no Altice Arena, mas abrirá as portas ao meio-dia.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

? A crise do Sporting, do pontapé de saída ao apito final

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião