? A crise do Sporting, do pontapé de saída ao apito final

Pontapé de saída

A derrota contra o Atlético de Madrid, por 2-1, na primeira mão dos quartos de final da Liga Europa, não agradou a Bruno de Carvalho. Foi na noite de 6 de abril que o presidente do clube leonino desencadeou um conflito com os jogadores, depois de mostrar desagrado com o resultado e a performance da equipa, através de um post no Facebook.

O plantel respondeu ao presidente, também pelas redes sociais: os jogadores recusaram-se a treinar, mas acabaram por vencer os dois confrontos seguintes. Por essa altura, Jaime Marta Soares, presidente da Mesa da Assembleia Geral, exige a demissão de Bruno de Carvalho. O presidente acabou por pedir a marcação de uma AG para discutir a sua continuidade na liderança do clube.

Invasão de campo

Na última jornada do campeonato, a derrota contra o Marítimo empurrou o Sporting para o terceiro lugar e para fora da Champions. O apuramento para a competição iria garantir a entrada de, pelo menos, 20 milhões de euros nos cofres do clube.

Durante o treino de preparação para a final da Taça de Portugal, na tarde de 15 de maio, um grupo de 50 adeptos invadiu a Academia de Alcochete. Armados e de cara tapada, chegaram a agredir jogadores e equipa técnica. No dia seguinte, o comunicado da GNR dava conta de 23 detidos, todos pertencentes à JuveLeo.

As reações ao ataque vieram de todos os lados, do clube aos adeptos. Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa, Ferro Rodrigues, Fernando Medina, e até a Altice Portugal, patrocinadora oficial do clube, mostraram o “repúdio” pelos atos de violência cometidos.

Os jogadores apresentaram, nessa noite, queixa na GNR, e o Ministério Público começou a investigar o ataque. Estava, assim, oficializada a crise no Sporting.

Pressão na área

Dois dias depois do ataque na Academia de Alcochete, demite-se em bloco o Conselho Fiscal e Disciplinar do clube, deixando assim de haver quórum para tomada de decisões relativas à fiscalização da direção do conselho diretivo do clube. Logo de seguida, ainda a 17 de maio, a Mesa da Assembleia Geral (MAG) – presidida por Jaime Marta Soares –, também anuncia a demissão. Contudo, volta atrás horas mais tarde.

O presidente da MAG apela à saída de Bruno de Carvalho. O líder do clube leonino considera Marta Soares demissionário. Agravou-se assim o braço de ferro entre os dois.

O “dia mais triste”

No final da reunião de órgãos sociais do Sporting, a 24 de maio, Marta Soares anuncia a Assembleia Geral para destituir Bruno de Carvalho e a direção, a 23 de junho.

“Hoje é um dos dias mais tristes que vivi no Sporting”, confessa Bruno de Carvalho na conferência de imprensa que se seguiu ao anúncio. Explica que a decisão põe em causa o empréstimo obrigacionista de 15 milhões de euros e acusa Marta Soares de estar a “lançar uma bomba atómica”.

Situação financeira agrava-se

A instabilidade no clube leva a CMVM a travar o empréstimo obrigacionista que deveria arrancar a 28 de maio. Com a iminência da rescisão de contratos por parte dos jogadores, e contas para pagar, a situação financeira do Sporting agrava-se.

Nove em fora de jogo

O primeiro foi Rui Patrício. O Sporting enviou um comunicado à CMVM a dar conta da rescisão unilateral do guarda-redes, a 1 de junho. Mais oito jogadores seguiram o capitão de equipa até à data limite de apresentação de rescisões. Bas Dost, Bruno Fernandes, Gelson, William, Podence, Rafael Leão, Ruben Ribeiro e Battaglia também deixaram o clube. O valor de mercado destes jogadores corresponde a 60% do valor do plantel, ou seja, a cerca de 150 milhões de euros.

Bruno de Carvalho suspenso. Ou não

Entretanto, são criados mais dois órgãos sociais: Marta Soares forma a Comissão de Fiscalização, para exercer as funções do Conselho Fiscal, até à Assembleia Geral. Em resposta, Bruno de Carvalho funda a Comissão Transitória da Mesa da Assembleia, para substituir a MAG demissionária de Marta Soares.

A Comissão de Fiscalização anuncia, a 13 de junho, a suspensão imediata do Conselho Diretivo do Sporting. Bruno de Carvalho afirma que “não reconhece legitimidade a esta comissão de fiscalização”, em declarações à SIC Notícias.

O quarto árbitro

Para assegurar a realização da Assembleia Geral, Marta Soares avança com duas providências cautelares. O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa proíbe as AG marcadas pela Comissão Transitória da MAG. As reuniões, que deveriam acontecer a 17 e 21 de junho, são consideradas ilegais. É também deliberado que a direção leonina seja obrigada a entregar os cadernos eleitorais ao presidente da MAG, e a pagar a realização da Assembleia Geral de dia 23 de junho que, segundo o Público, teriam o valor de 80 mil euros.

Cartão vermelho para a SAD

A PWC, auditor da SAD do Sporting, alertou a CMVM de que as rescisões apresentadas pelos jogadores mais valiosos do plantel podem ser uma ameaça concreta para a continuidade das operações da SAD. O aviso chega durante a madrugada de 19 de junho, através de um comunicado publicado pela SAD na CMVM. Nesse documento, Bruno de Carvalho responde ao auditor, referindo que o “conselho de administração considera que a continuidade das operações da SAD se encontra assegurada”.

Apito final

A Assembleia Geral do Sporting vai finalmente realizar-se este sábado. A destituição do Conselho Diretivo fica a depender dos sócios. A reunião magna tem início marcado para as 14h00, no Altice Arena, mas abrirá as portas ao meio-dia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

? A crise do Sporting, do pontapé de saída ao apito final

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião