Tripulantes de cabine da TAP chumbam proposta salarial e de Acordo de Empresa

  • Lusa
  • 26 Junho 2018

As propostas da TAP foram chumbadas na assembleia geral do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil. Incluía uma proposta de atualização salarial de 15,5%.

Os tripulantes de cabine da TAP chumbaram as propostas da transportadora aérea de aumentos salariais e do novo Acordo de Empresa (AE), em assembleia geral do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC).

Segundo fontes e documentos consultados pela agência Lusa, os tripulantes recusaram a proposta de atualização salarial entre 2018 e 2023 de 15,5%, que incluiria ainda uma correção da inflação e a repartição anual de 1,5% de lucros líquidos a partir de 2021. Para 2018, a proposta de aumento era de 6%.

Contactados pela Lusa, SNPVAC e TAP escusaram-se a comentar estes chumbos em assembleia geral, havendo, porém, informações de uma reunião entre as duas partes.

Na proposta do novo AE dos tripulantes da TAP foram inscritas nomeadamente prazos para integrar o quadro efetivos, clarificação de carreiras profissionais e um “programa de Reformas Antecipadas para trabalhadores com mais de 60 anos, cujas respetivas condições serão anunciadas até julho de 2018”.

“Está igualmente a ser avaliada a possibilidade de estender esta medida a trabalhadores a partir dos 55 anos de idade, em consequência da nossa pretensão em sermos considerados uma profissão de desgaste rápido”, lê-se na documentação enviada aos associados do SNPVAC, a que a agência Lusa teve acesso. A proposta trata ainda de matérias como férias, folgas, parentalidade e família.

Em abril, a atualização salarial dos pilotos passou a prever aumentos de 5% este ano e no próximo, de 3% em 2020 e de 1% em 2021 e 2022, mais a correção da inflação estimada em 9,4%. O acordo prevê ainda para os próximos cinco anos uma revisão das anuidades, subsídio de turnos, subsídio de refeição e subsídio de certificação.

Já este mês, também o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) informou ter fechado um acordo de atualização salarial com a TAP para os próximos cinco anos, que prevê um aumento de 5% este ano e, pelo menos, 7% nos quatro anos seguintes.

A TAP é detida em 50% pelo Estado, através da Parpública, em 45% pelo consórcio da Atlantic Gateway e em 5% pelos trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tripulantes de cabine da TAP chumbam proposta salarial e de Acordo de Empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião