OPA chinesa à EDP acelera mercado de fusões e aquisições para melhor semestre desde 2011

Oferta chinesa sobre a EDP mexeu com o mercado nacional de fusões e aquisições no primeiro semestre do ano. Foi mesmo o melhor semestre desde 2011.

A oferta pública de aquisição (OPA) da China Three Gorges sobre a EDP acelerou o mercado de fusões e aquisições (M&A, na sigla inglesa) em Portugal no primeiro semestre do ano, quase duplicando o montante transacionado no mesmo período do ano passado. Foi mesmo o melhor semestre desde 2011.

Segundo dados da Transactional Track Record, o mercado de M&A de Portugal movimentou 13,9 mil milhões entre janeiro a junho, refletindo um aumento de 95% face ao mesmo período do ano passado. “O resultado positivo pode ser atribuído em boa parte à OPA lançada pela China Three Gores sobre a EDP, avaliada em 9,1 mil milhões de euros”, justifica a TTR.

O grupo chinês avançou para a compra da elétrica nacional em maio, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por cada ação, ao mesmo tempo que ofereceu 7,33 euros por cada títulos da EDP Renováveis. Atualmente, a China Three Gorges detém mais de 23% do capital da EDP.

Trata-se do semestre mais movimentado em Portugal desde a segunda metade do ano de 2011, já após Portugal ter pedido assistência financeira internacional. Foi nesse período que a Galp anunciou a venda a Petrogal Brasil à chinesa Sinopec por 3,6 mil milhões de euros e que o Estado português alienou à China Three Gorges uma posição na EDP avaliada em 2,7 mil milhões de euros. Ao todo, o mercado de M&A movimentou mais de 15 mil milhões de euros entre julho e dezembro de 2011.

M&A português vive melhor semestre desde 2011

Fonte: TTR

Apesar do disparo em termos de volume de M&A no arranque de 2018, a primeira metade do ano registou menos operações. Foram mapeadas pela TTR 150 transações desde o início do ano, representando uma queda de quase 13% face ao primeiro trimestre de 2017.

Mais uma vez, foi o segmento do imobiliário o mais ativo, liderando os movimentos transacionais no país em 2018 — registou 33 operações desde janeiro até junho. Há sobretudo dois negócios imobiliários que marcam 2018 até ao momento: a compra de vários centros comerciais pela Ceetrus Portugal (da Auchan Holding) numa transação avaliada em 450 milhões de euros; e o negócio em torno do Lagoas Park, que foi recentemente vendido pela construtora Teixeira Duarte ao fundo Kildare por 375 milhões de euros.

Outro setor em destaque foi o tecnológico. Este segmento obteve um crescimento de 47%, indica a TTR. Foram 25 as operações realizadas este ano, havendo um protagonista: a Outsystems.

A tecnológica portuguesa de low code realizou no mês passado mais uma ronda de financiamento, através da qual levantou 310 milhões de euros do fundo de private equity KKR e do banco Goldman Sachs. Esta operação trouxe o estatuto de unicórnio à Outsystems: já vale mais de mil milhões.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPA chinesa à EDP acelera mercado de fusões e aquisições para melhor semestre desde 2011

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião