Taxa de rotatividade: o que é e o que foi

Parlamento discute sexta-feira taxa de rotatividade com que Governo quer penalizar empresas que mais usam contratos a prazo. Medida fazia parte dos planos de Centeno em 2015. Veja as diferenças.

O Parlamento discute esta sexta-feira alterações ao Código do Trabalho e ao Código Contributivo, entre elas a criação de uma taxa de rotatividade que tem como objetivo penalizar as empresas que mais recorrem a trabalho precário. A medida chega agora à mesa dos deputados, mas a ideia tem barbas. Foi Mário Centeno quem a pôs no papel, pela primeira vez, em 2015, quando fez a parte económica do programa eleitoral do PS.

O ECO revisitou os jornais de 2015 e o cenário macroeconómico que um conjunto de peritos preparou para António Costa levar às eleições, para fazer uma comparação entre a taxa agora planeada e o modelo que era pensado na altura.

A taxa de rotatividade estava nos planos de 2015, mas era diferente daquela que hoje o Governo quer aprovar — ainda só são conhecidas as linhas gerais, já que há detalhes remetidos para decreto regulamentar. Na altura, a taxa aparecia inserida no capítulo sobre a forma de responsabilizar as empresas pelos custos sociais do desemprego. “Deve fazer-se uma ligação direta entre a contribuição social que cada empresa paga e as suas práticas de rotação de trabalhadores”, lê-se no documento apresentado pelo agora ministro das Finanças ao então apenas secretário-geral do PS.

"Deve fazer-se uma ligação direta entre a contribuição social que cada empresa paga e as suas práticas de rotação de trabalhadores.”

Agenda para a Década - abril 2015

Estávamos em abril de 2015 e as eleições estavam marcadas para outubro desse ano. Depois da passagem da troika por Portugal e de um Governo PSD/CDS nos comandos durante quatros anos era preciso agitar a bandeira de uma “política social mais equitativa”. O modelo técnico encontrado na altura renderia aos cofres públicos 350 milhões de euros no primeiro ano.

A taxa de rotatividade não desagradou aos parceiros que o PS encontrou depois das eleições para formar Governo, já que cumpria vários objetivos: era uma nova taxa a pagar pelas empresas, combatia a precariedade e dava uma receita gorda, numa altura em que o Governo se preparava para devolver rendimentos.

Mas o Governo tomou posse e ela não avançou. Esta sexta-feira, quando a taxa for debatida no Parlamento o mundo político já entrou no último ano da legislatura — e o discurso já resvala para o ambiente pré-eleitoral.

Pelo meio, o Bloco de Esquerda tentava recuperar a “taxa de rotatividade de Centeno” para financiar mais despesa com as pensões. Foi assim em setembro de 2017, quando os partidos faziam exigências na praça pública para o Orçamento do Estado para 2018.

O Governo concentrou a sua governação na devolução de rendimentos, com a reposição de salários, de pensões, redução do IVA na restauração e, com a ajuda do crescimento económico — que no ano passado atingiu a maior taxa desde 2000 –, acabou por deixar para agora o pacote laboral.

Dele fazem parte medidas como o alargamento do período experimental para trabalhadores à procura de primeiro emprego e desempregados de longa duração, a introdução de um banco de horas por referendo (eliminando a modalidade individual), o aumento das restrições nos contratos a termo e temporários, além da criação da taxa de rotatividade.

A previsão de receita da atual taxa — que varia entre 70 a 90 milhões — foi apresentada antes de conhecidas as exceções entretanto negociadas em concertação social.

E o apoio político do Bloco de Esquerda, PCP e Verdes não está assegurado. O Bloco critica nomeadamente as exceções. Já o PCP considera que se trata de legalizar a precariedade. Também o alargamento do período experimental desagrada a esquerda do PS e até os socialistas se preparam para entregar alterações para evitar abusos.

Certo é que o debate vai resvalar para setembro, quando o Parlamento reabrir para a última sessão legislativa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de rotatividade: o que é e o que foi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião