Ministro admite falhar objetivo de 1% do PIB para Cultura

  • Lusa
  • 6 Julho 2018

Luís Filipe Castro Mendes diz que o próximo Orçamento de Estado irá reforçar financeiramente a cultura, já que nesta legislação o objetivo de 1% não será cumprido.

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, admitiu esta sexta-feira, em Macau, que o objetivo de garantir 1% do Orçamento do Estado para a Cultura não será atingido nesta legislatura, mas garantiu o reforço financeiro já em 2019.

“Vamos aproximar-nos gradualmente, é o nosso objetivo e a nossa meta, mas não penso que no espaço desta legislatura, ou deste orçamento, cheguemos a 1% do orçamento do estado para a cultura”, disse.

“Naturalmente haverá um reforço da cultura no próximo orçamento de estado”, sublinhou, contudo, o governante.

As declarações de Luís Filipe Castro Mendes foram produzidas à margem da visita de dois dias em Macau, no âmbito do Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Questionado sobre o novo modelo de autonomia de gestão dos museus para 2019, anunciado em junho, rejeitou a possibilidade de ser criada uma entidade autónoma a nível financeiro, explicando que o caminho passará por uma independência administrativa.

“Vamos para o modelo de uma autonomia de gestão administrativa com responsabilização (…) através de contratos-programa, mas que não será uma autonomia financeira”, acrescentou o ministro.

Castro Mendes afirmou que o “plano ainda está em elaboração” e “será muito brevemente apresentado”, depois de consultas ao setor e outros ministérios, prometendo para breve “uma definição mais concreta” do modelo, que “não passa pela criação do instituto”.

No mês passado, o responsável pela pasta da cultura já afirmara que este regime de autonomia de gestão dos museus, monumentos, palácios e sítios arqueológicos “assenta na gestão por objetivos e consubstancia-se no cumprimento de metas quantificadas e mensuráveis que integrarão o contrato plurianual a celebrar entre a administração do património cultural e o diretor da unidade orgânica”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro admite falhar objetivo de 1% do PIB para Cultura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião