Proposta laboral do Governo passa apesar dos votos contra à esquerda do PS. PSD ajudou com abstenção

  • Marta Santos Silva
  • 18 Julho 2018

A abstenção do PSD permitiu a aprovação da proposta do Governo, enquanto o Partido Socialista optou por deixar passar para análise mais profunda quatro diplomas dos partidos mais à esquerda.

O Parlamento aprovou, esta quarta-feira, a proposta do Governo para a alteração da lei laboral, assim como propostas do Bloco de Esquerda, do PCP e do PEV. Ao todo, são mais cinco propostas que descem à especialidade, onde serão analisadas pelos deputados da comissão.

Com a abstenção do PSD e o voto a favor do PS, apesar do voto contra do Bloco de Esquerda, do PCP e dos Verdes, o Governo conseguiu fazer aprovar as suas propostas para a lei laboral, incluindo algumas muito contestadas pela esquerda como o alargamento do período experimental em casos de primeiro emprego ou desemprego prolongado.

Por sua vez, o PS deu a sua aprovação, e permitiu assim que baixassem à comissão, a quatro projetos dos partidos mais à esquerda, tal como o ECO já escrevera. Do PEV, foi aprovada a proposta que revoga as normas que permitem a celebração de um contrato a termo certo só porque os trabalhadores se encontram em situação de procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração. Do PCP, seguiu para a comissão uma proposta para alterar o regime do trabalho temporário, e do Bloco de Esquerda passaram dois diplomas, um também ele relacionado com o trabalho temporário e um outro que revoga a presunção de aceitação do despedimento por causas objetivas quando o empregador compensa o trabalhador.

O debate sobre as propostas para a lei laboral teve lugar na sexta-feira, dia 6 de julho, mas ainda não tinha terminado o período de discussão pública — ou seja, o período de tempo em que uma proposta deve ficar disponível no site da Assembleia da República para que cidadãos ou instituições possam lê-la e comentá-la — para algumas dessas propostas. Assim, a proposta do Governo, como as restantes votadas esta quarta-feira, seguiram para a comissão sem votação, para serem votadas agora.

Agora, com o princípio das férias parlamentares, o debate continua em setembro, quando os deputados poderão apresentar propostas de alteração a cada uma das propostas que desceu à Comissão do Trabalho e Segurança Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proposta laboral do Governo passa apesar dos votos contra à esquerda do PS. PSD ajudou com abstenção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião