Sonangol prepara-se para abandonar produção de petróleo

  • ECO
  • 20 Julho 2018

A petrolífera angolana está a vender a participação em mais de 20 blocos petrolíferos. Alienação de ativos pode chegar a Portugal, nomeadamente ao BCP e Galp Energia.

A Sonangol vai vender as participações que detém em mais de 20 blocos petrolíferos, uma medida que pode acabar por atingir Portugal, onde a petrolífera está presente no capital do BCP e na Galp. A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Negócios (acesso pago).

A empresa estatal angolana está a iniciar uma “verdadeira revolução no setor“, dizem fontes conhecedoras do processo ao Negócios. E adiantam que “a política de venda de ativos vai continuar“.

Entre os objetivos desta nova estratégia da petrolífera está, por um lado, a redução da dívida de três milhões de dólares junto das congéneres estrangeiras e, por outro, credibilizar a empresa perante operadores estrangeiros para que estes invistam na prospeção de petróleo, por forma a reverter o declínio da produção de petróleo nos últimos tempos, o que acaba por diminuir drasticamente as receitas fiscais de Angola.

Angola produz atualmente 1,4 milhões de barris de petróleo por dia, e o objetivo a prazo, é o de que a produção cresça em 500 mil barris, aproximando-se dos valores atingidos em 2008.

Com esta vendas, a Sonangol, agora liderada por Carlos Saturnino, inicia uma nova fase: reforça o papel de regulador, abdicando dos ativos de pesquisa e produção. Esta solução acontece depois de João Lourenço, presidente de Angola, ter abandonado a ideia de criar uma Agência Nacional de Petróleos.

A médio prazo estas alienações podem ter repercussões em Portugal, caso a Sonangol venha a alienar a posição que detém no BCP (19,49%) e a participação indireta no capital da Galp Energia, através da Amorim Energia. A Sonangol juntamente com Isabel dos Santos controlam 45% da Amorim Energia, estando os restantes 55% nas mãos da família Amorim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonangol prepara-se para abandonar produção de petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião