PCP admite novo Governo minoritário de esquerda e quer salário mínimo nos 650 euros

  • ECO
  • 20 Julho 2018

Em entrevista ao Público, João Oliveira garantiu que ainda não está fechada a decisão de aprovar o OE para 2019. Mas não descartou viabilizar um novo Governo minoritário do PS em 2019.

O PCP admite viabilizar um novo Governo minoritário de esquerda caso esse cenário se ponha após as legislativas do ano que vem. Foi uma das ideias abordadas pelo comunista João Oliveira em entrevista ao Público (acesso condicionado) esta sexta-feira, na qual o líder parlamentar defendeu também o aumento do salário mínimo nacional para os 650 euros e alertou o primeiro-ministro que a progressão nas carreiras dos professores é um assunto que ainda “está por resolver”.

Questionado sobre a possibilidade de o partido viabilizar um Governo de “maioria relativa do PS” através de uma “correlação de forças à esquerda maioritária”, João Oliveira admitiu tratar-se de um “quadro de condicionantes que não é pouco pesado”. Ainda assim, garantiu que “nunca será por falta do PCP que as condições de vida e de trabalho dos portugueses deixam de avançar”, um sinal claro de que, perante um resultado semelhante ao das últimas legislativas, os comunistas não deverão ser entrave à formação de uma nova maioria de esquerda no Parlamento.

João Oliveira referiu que basta “a palavra dada” para um acordo deste género, descartando a importância de um papel assinado para o efeito: “A questão de haver um papel ou não haver um papel foi uma questão de cedência da parte do PS à exigência que era feita pelo Presidente da República na altura”, afirmou ao Público, numa alusão a Aníbal Cavaco Silva. Para já, os comunistas estão confiantes e focados em reforçar o apoio do eleitorado português. “Aquilo que é verdadeiramente decisivo é saber a força com que o PCP e a CDU saem das legislativas”, afirmou o líder parlamentar do partido. Para o PCP, a solução política ideal “não é a de um Governo minoritário do PS” — é ele próprio ser Governo.

Nunca será por falta do PCP que as condições de vida e de trabalho dos portugueses deixam de avançar.

João Oliveira

Líder parlamentar do PCP

Numa segunda parte da entrevista, João Oliveira disse que uma das bandeiras do partido para 2019 será o aumento do salário mínimo. E o valor já está escolhido: os comunistas querem que aumente para os 650 euros mensais, segundo o Público. O tema deverá marcar, já num futuro próximo, as negociações do próximo Orçamento do Estado. “A perspetiva que nós consideramos é que, no Orçamento de 2019, o salário mínimo devia ser fixado em 650 euros”, disse João Oliveira. Recorde-se que Confederação Empresarial de Portugal (CIP) já admitiu o aumento do vencimento mínimo em Portugal para um patamar acima dos 600 euros.

Por fim, a contagem do tempo de carreira para efeitos de progressão salarial dos professores, que é um dos temas mais quentes da agenda política atual, não passou ao lado do deputado. Ao Público, João Oliveira endureceu o discurso para afirmar que este ainda é um problema “por resolver”. E não escondeu que há tensão entre o PCP e o Governo de António Costa: “A tensão com o Governo mantém-se na medida em que há problemas para resolver e eles não se resolvem. O Governo faz opções de colocar como prioridades aquelas que não são as do país”, acusou. Sublinhou também que a decisão de aprovar ou chumbar o Orçamento do Estado ainda não está fechada: “Não há Orçamentos aprovados nem chumbados à partida. Há um exame comum que é preciso fazer”. Um alerta para o primeiro-ministro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP admite novo Governo minoritário de esquerda e quer salário mínimo nos 650 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião