PCP admite novo Governo minoritário de esquerda e quer salário mínimo nos 650 euros

  • ECO
  • 20 Julho 2018

Em entrevista ao Público, João Oliveira garantiu que ainda não está fechada a decisão de aprovar o OE para 2019. Mas não descartou viabilizar um novo Governo minoritário do PS em 2019.

O PCP admite viabilizar um novo Governo minoritário de esquerda caso esse cenário se ponha após as legislativas do ano que vem. Foi uma das ideias abordadas pelo comunista João Oliveira em entrevista ao Público (acesso condicionado) esta sexta-feira, na qual o líder parlamentar defendeu também o aumento do salário mínimo nacional para os 650 euros e alertou o primeiro-ministro que a progressão nas carreiras dos professores é um assunto que ainda “está por resolver”.

Questionado sobre a possibilidade de o partido viabilizar um Governo de “maioria relativa do PS” através de uma “correlação de forças à esquerda maioritária”, João Oliveira admitiu tratar-se de um “quadro de condicionantes que não é pouco pesado”. Ainda assim, garantiu que “nunca será por falta do PCP que as condições de vida e de trabalho dos portugueses deixam de avançar”, um sinal claro de que, perante um resultado semelhante ao das últimas legislativas, os comunistas não deverão ser entrave à formação de uma nova maioria de esquerda no Parlamento.

João Oliveira referiu que basta “a palavra dada” para um acordo deste género, descartando a importância de um papel assinado para o efeito: “A questão de haver um papel ou não haver um papel foi uma questão de cedência da parte do PS à exigência que era feita pelo Presidente da República na altura”, afirmou ao Público, numa alusão a Aníbal Cavaco Silva. Para já, os comunistas estão confiantes e focados em reforçar o apoio do eleitorado português. “Aquilo que é verdadeiramente decisivo é saber a força com que o PCP e a CDU saem das legislativas”, afirmou o líder parlamentar do partido. Para o PCP, a solução política ideal “não é a de um Governo minoritário do PS” — é ele próprio ser Governo.

Nunca será por falta do PCP que as condições de vida e de trabalho dos portugueses deixam de avançar.

João Oliveira

Líder parlamentar do PCP

Numa segunda parte da entrevista, João Oliveira disse que uma das bandeiras do partido para 2019 será o aumento do salário mínimo. E o valor já está escolhido: os comunistas querem que aumente para os 650 euros mensais, segundo o Público. O tema deverá marcar, já num futuro próximo, as negociações do próximo Orçamento do Estado. “A perspetiva que nós consideramos é que, no Orçamento de 2019, o salário mínimo devia ser fixado em 650 euros”, disse João Oliveira. Recorde-se que Confederação Empresarial de Portugal (CIP) já admitiu o aumento do vencimento mínimo em Portugal para um patamar acima dos 600 euros.

Por fim, a contagem do tempo de carreira para efeitos de progressão salarial dos professores, que é um dos temas mais quentes da agenda política atual, não passou ao lado do deputado. Ao Público, João Oliveira endureceu o discurso para afirmar que este ainda é um problema “por resolver”. E não escondeu que há tensão entre o PCP e o Governo de António Costa: “A tensão com o Governo mantém-se na medida em que há problemas para resolver e eles não se resolvem. O Governo faz opções de colocar como prioridades aquelas que não são as do país”, acusou. Sublinhou também que a decisão de aprovar ou chumbar o Orçamento do Estado ainda não está fechada: “Não há Orçamentos aprovados nem chumbados à partida. Há um exame comum que é preciso fazer”. Um alerta para o primeiro-ministro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP admite novo Governo minoritário de esquerda e quer salário mínimo nos 650 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião