5 coisas que vão marcar o dia

  • ECO
  • 20 Julho 2018

Nesta sexta-feira tornam-se conhecidos dados importantes sobre as reservas internacionais do país, e sobre as taxas de juro das casas. Protestos assolam a função pública e continua a comissão dos CMEC

Nesta sexta-feira são conhecidos dados importantes sobre as reservas internacionais do país, lançadas pelo Banco de Portugal, e sobre as taxas de juro das casas, do INE. Na função pública, vários setores continuam a protestar. Os guardas-florestais reclamam pelas carreiras e mais funcionários, e os professores podem ter as férias em risco por causa das greves. Continua também a comissão dos CMEC, desta vez a ouvir especialistas.

Banco de Portugal vai lançar as estatísticas das reservas internacionais

Este é um dos indicadores que o Banco de Portugal reporta ao Fundo Monetário Internacional sobre a economia portuguesa. O Template de Reservas Internacionais agrega a informação sobre o montante e composição dos ativos de Reservas Oficiais, dos outros ativos cambiais detidos pelo Banco Central e Administração Central, de compromissos de curto prazo em moeda estrangeira e das atividades relacionadas, que possam originar pagamentos resultantes em reduções das reservas ou outros ativos cambiais.

Comissão Parlamentar ouve mais dois especialistas sobre os CMEC

A Comissão Parlamentar de Inquérito vai ouvir o professor do ISEG, anterior presidente da instituição, João Duque, às 10h00. Em causa estão os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual, ou seja, o pagamento de rendas excessivas aos produtores elétricos. Mais tarde, às 15h30, é a vez de os deputados ouvirem Agostinho Pereira de Miranda, da firma Miranda & Associados, Advogados. Os especialistas são os primeiros a ser ouvidos, seguindo-se os representantes do regulador ERSE.

Mais uma greve por causa da contratação na função pública

Os guardas-florestais marcaram greve para 20, 21 e 22 de julho. A paralisação começa hoje e vai abranger todo o fim de semana. Neste primeiro dia, os trabalhadores vão concentrar-se e manifestar-se à porta do Ministério da Administração Interna, em Lisboa. A Federação dos Trabalhadores em Funções Públicas acusa o primeiro-ministro de não cumprir a promessa de integrar mais 200 trabalhadores nesta área em abril de 2018.

INE lança Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação

O Instituto Nacional de Estatística vai lançar as Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação para o mês de junho deste ano. A taxa manteve-se inalterada em maio, face a abril, no que foi o valor mais elevado desde novembro de 2016. Já os juros dos contratos mais recentes desceram em maio.

Como vão ser as férias dos professores?

Ainda estão por realizar reuniões de avaliações dos anos em que não foram assegurados os serviços mínimos, e a greve do Sindicato de Todos os Professores está marcada até ao fim do mês, mas muitos docentes iam de férias a 20 de julho. Os professores que já tinham férias marcadas têm direito a remarcar e, se não conseguirem gozar estes dias, continuam a ter direito aos mesmos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião