Ryanair quer progredir nas negociações com os pilotos das bases alemãs

  • Lusa
  • 31 Julho 2018

A companhia low-cost convidou o sindicato alemão para uma nova reunião na próxima semana, na qual espera "concluir um contrato coletivo de trabalho".

A transportadora aérea Ryanair informou esta terça-feira ter convidado o sindicato Vereinigung Cockpit (VC) para uma reunião e “progredir nas negociações e concluir um contrato coletivocom os pilotos das bases alemãs.

Numa informação divulgada hoje, a companhia aérea de baixo custo precisou ter escrito segunda-feira ao sindicato VC para os convidar para uma nova reunião na próxima semana. “Esperamos continuar a progredir nas negociações e concluir um contrato coletivo de trabalho com os nossos pilotos na Alemanha”, afirmou a Ryanair, um dia depois de os pilotos das bases alemãs terem decidido avançar com greves, se a companhia aérea não garantir aumentos salariais e melhores condições de trabalho.

Segundo a agência noticiosa EFE, o sindicato VC anunciou que 96% dos seus filiados aprovaram a realização de greves e acrescentou que foi dado à companhia um prazo, até 6 de agosto, para dar resposta ao caderno reivindicativo. Apesar de não ter adiantado uma data para a realização da primeira greve, o sindicato revelou que a mesma será anunciada com 24 horas de antecedência.

Na semana passada, os tripulantes de cabine da Ryanair em Portugal, Espanha, Itália e Bélgica estiveram em greve, que levou ao cancelamento de centenas de voos. Por sua vez, na Irlanda os pilotos anunciaram, em 25 de julho, a realização de 24 horas de greve no dia 3 de agosto, a quarta paralisação no país desde 12 de julho.

Em 16 de julho, na informação enviada a propósito dos resultados do primeiro trimestre fiscal, a transportadora irlandesa de baixo custo referiu que, “se estas greves desnecessárias continuarem a danificar a confiança do cliente e os futuros preços/rendimentos em determinados mercados”, será então revista a operação de inverno (entre outubro e março)”.

Pode levar a reduções de frota em bases perturbadas e à perda de empregos em mercados onde os funcionários concorrentes estão a interferir nas negociações com os nossos funcionários e com os nossos sindicatos. Não podemos permitir que os voos dos nossos clientes sejam interrompidos desnecessariamente por uma pequena minoria de pilotos”, segundo a mesma nota.

A Ryanair anunciou ter registado um lucro de 319 milhões de euros no seu primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), numa diminuição de 20%, na comparação homóloga. Na mesma informação, a companhia aérea irlandesa notou ter implementado uma “série de iniciativas para tornar a Ryanair mais atrativa para pilotos e tripulantes de cabine”, como aumentos salariais, transferências para bases preferidas, investimentos em formação e reconhecimento de sindicatos.

A companhia referiu esperar mais “greves durante o período de pico do verão”, mas que não irá aceitar “exigências não razoáveis que comprometam quer os preços baixos, quer o modelo altamente eficiente”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair quer progredir nas negociações com os pilotos das bases alemãs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião