FMI procura um economista-chefe. Preenche os requisitos?

Com a saída de Maurice Obstfeld como economista-chefe no final do ano, o FMI pretende recrutar um substituto. Experiência de 15 anos e formação em economia são alguns dos requisitos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está à procura de um novo economista-chefe, depois de ter anunciado que Maurice Obstfeld vai abandonar a posição. O substituto tem à espera um contrato de trabalho de três anos, com início em janeiro do próximo ano, e necessita de ter mais de 15 anos de experiência, para além de um doutoramento em economia ou “noutro campo relevante”.

“Uma vasta experiência e um forte conhecimento de macroeconomia e de assuntos de política estruturais”, começa assim o anúncio publicado esta semana pelo FMI. Somados a estas mais-valias, o novo substituto, que será também diretor do departamento de pesquisa, terá de ter uma experiência de 15 a 20 anos na área da economia, para além de uma “ampla e forte experiência em questões de política macroeconómica e estrutural”.

O candidato escolhido ficará responsável pela realização de pesquisas e análises estratégicas sobre a estabilidade do sistema monetário e financeiro internacional, focado essencialmente em questões macrofinanceiras. Para além de pesquisas e análises orientadas para políticas que apoiem o trabalho do FMI em vários países, e pela elaboração dos relatórios World Economic Outlook e ExternalSectorReport e dar contribuições para o G-20 e o G7. Somam-se ainda apoios a conferências e seminários.

Noutro tipo de requisitos, destaque ainda para uma “capacidade comprovada de liderança intelectual e estratégica”, “experiência comprovada em visão estratégica, gestão de equipa, trabalho em equipa, organização e delegação de trabalho em diversas atividades”. “Excelentes habilidades de comunicação oral e escrita em inglês e conhecimento de outras línguas” são outros dos critérios.

“O FMI está empenhado em conseguir uma equipa diversificada, incluindo género, nacionalidade, cultura e formação educacional”, remata, assim, o anúncio. A candidatura pode ser submetida online, onde é necessário anexar o currículo, responder a algumas questões pessoais — educação, experiência profissional, referências, experiência, etc. –, sendo o prazo limite a 13 de agosto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI procura um economista-chefe. Preenche os requisitos?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião