Anacom procura nova casa em Lisboa. Quer evitar renda anual de 1,2 milhões

  • Lusa
  • 4 Agosto 2018

Até dia 10 de agosto, a Autoridade Nacional de Comunicações está a recolher propostas para imóvel que se tornará a nova sede em Lisboa.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) quer comprar um edifício com mais de 4.500 metros quadrados para a sua sede em Lisboa, pretendendo baixar os custos de arrendamento, que rondam os 1,2 milhões de euros por ano.

Até dia 17 deste mês, a Anacom está, por isso, a recolher propostas para o imóvel que pretende adquirir em Lisboa para colocar a sua sede, num edifício que deverá ter uma área útil superior a 4.500 metros quadrados, segundo o anúncio colocado esta semana por aquela entidade na sua página na internet.

Questionado pela agência Lusa, o regulador das telecomunicações explica que, com os dois contratos de arrendamento atuais referentes ao edifício onde está, na Avenida José Malhoa, freguesia lisboeta de Campolide, a Anacom “suporta um encargo anual de cerca de 1,2 milhões de euros”, equivalente a perto de 100 mil mês por mês.

Assim, “a substituição dos mesmos [contratos] por um imóvel da sua propriedade possibilitará uma significativa e permanente redução de custos correntes”, assinala a Anacom.

Em causa está uma “solução estrutural para a localização” da sede do regulador, sendo a compra um dos aspetos equacionados.

A compra permitirá uma melhoria significativa ao nível das condições de trabalho e de eficiência no desenvolvimento da sua atividade. Hoje em dia, tanto a renovação dos contratos de arrendamento, como quaisquer melhorias nas instalações, estão dependentes dos proprietários e dificultam uma gestão devidamente planeada e eficaz dos recursos”, justifica a Anacom na resposta enviada à Lusa.

Ao mesmo tempo, a “aquisição de um imóvel permitirá obter um efeito favorável nos resultados líquidos anuais da Anacom e, por essa via, um contributo positivo para as receitas do Orçamento do Estado associadas à gestão do espetro”, realça a entidade liderada por João Cadete de Matos.

O regulador adianta que “o impacto será igualmente favorável em termos de potencial redução das taxas de regulação, uma vez que o investimento será feito com meios próprios e não exigirá recursos do Orçamento do Estado”.

Quando questionada sobre quais os valores que admite para a compra deste imóvel, a Anacom adianta que os montantes dependem de fatores como a “análise efetuada” e o “custo/benefício”.

O anúncio foi divulgado na imprensa e na internet “por uma questão de transparência”, adianta aquela entidade reguladora à Lusa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anacom procura nova casa em Lisboa. Quer evitar renda anual de 1,2 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião