Quantas empresas vão à falência por dia? E quantas nascem?

O ano passado foram 33.935 as empresas que foram constituídas e, em contrapartida, foram 14.282 as que foram declaradas insolventes.

Nascem umas, desaparecem outras… é assim o mundo das empresas. Numa altura em que a economia nacional apresenta boas perspetivas, são várias as entidades que declaram falência, mas também são muitas aquelas que vão surgindo. Sabia que, só no ano passado, foram criadas quase 34 mil empresas? Em contrapartida, o número de insolvências foi menor: menos de 15 mil.

Os dados são claros e não deixam sombras para dúvidas: o número de empresas criadas o ano passado aumentou 10,19% para 33.935 face a 2016, período em que nasceram 30.796 novas entidades, de acordo com os dados da Direção Geral da Política da Justiça (DGPJ). Em média, criaram-se 2.827 empresas por mês, tendo sido janeiro o mês com mais nascimentos registados (4.234) e, em contrapartida, novembro com menos (1.293). Assim, por dia, nasceram 93 empresas.

Número de empresas criadas em 2017

Fonte: Direção Geral da Política da Justiça (DGPJ)

Relativamente às entidades que declararam insolvência, os dados disponibilizados pela DGPJ são calculados por trimestre. Assim, no primeiro trimestre do ano passado, foram 3.873 os casos de insolvência, somados a 3.693 no segundo trimestre, 3.182 no terceiro e 3.534 no quarto trimestre. No total, houve 14.282 empresas declaradas insolventes, menos 2,2% do que no ano anterior (14.610). Assim, por dia, foram à falência 39 empresas.

Número de empresas que declararam insolvência em 2017

Fonte: Direção Geral da Política da Justiça (DGPJ)

Relativamente ao ano corrente, a DGPJ já tem disponíveis informações acerca das empresas que foram criadas, embora apenas do primeiro mês do ano. Só em janeiro foram constituídas 5.716 entidades, mais 1.482 do que no mesmo mês do ano passado, representando um aumento de 35%.

Contudo, há entidades que já têm prontos dados sobre este ano, como é o caso do barómetro Informa que adianta que, até ao final de julho deste ano, foram criadas 27.708 empresas, mais 10,6% do que no mesmo período do ano passado, enquanto as falências aumentaram 17,8% para 9.296. Ou seja, este ano nasceram 131 empresas por dia e faliram 44.

Mas, há quem tenha dados diferentes, como é o caso da Crédito y Caución: desde o início do ano até ao final de julho, foram constituídas 27.809 empresas, mais 11,3% do que no mesmo período do ano passado. Só no mês de julho, nasceram 3.171 empresas, mais 112 em termos homólogos. Por sua vez, em termos de insolvências, verificou-se um aumento de 6,9% para 4.402, enquanto no mês de julho faliram 499 empresas, mais 109 do que em julho do ano passado. Assim, de acordo com o estudo Iberyform Crédito y Caución, este ano nasceram 131 empresas por dia e faliram 21.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantas empresas vão à falência por dia? E quantas nascem?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião