Google guarda localizações dos utilizadores mesmo sem estes quererem

  • Lusa
  • 14 Agosto 2018

Mesmo com a Location History suspensa, algumas aplicações da Google guardam automaticamente os dados da localização, e respetivo tempo, sem perguntar.

A Google está tão determinada em saber a localização dos seus utilizadores que a regista mesmo que estes manifestem de forma explícita a sua oposição a tal registo, noticiou esta segunda-feira a agência Associated Press (AP). Uma investigação da agência noticiosa norte-americana concluiu que muitos serviços da Google em aparelhos Android e iPhones guardam a informação sobre a localização dos utilizadores, incluindo nos casos em que estes usaram um recurso que alegadamente lhes proporciona privacidade e impede a Google de o fazer.

Investigadores em ciências da computação na Universidade de Princeton confirmaram esta conclusão a pedido da AP.

Na maior parte dos casos, a Google solicita permissão para usar a informação da localização do utilizador.

Uma aplicação como a Google Maps vai recordar o utilizador para que autorize o acesso se a usar para navegar. Se este autorizar o registo da sua localização ao longo do tempo, a Google Maps vai exibir-lhe essa história numa ‘linha do tempo’ que mapeia os seus movimentos diários.

Armazenar as suas deslocações minuto a minuto acarreta riscos de privacidade e tem sido usado pela polícia para determinar a localização dos suspeitos. Mas a empresa permite que esta localização seja interrompida através de uma pausa na Location History.

A Google assegurou que isto vai impedi-la de saber onde o utilizador esteve. Na página de Google de apoio ao utilizador declara-se: “você pode desligar a Location History a qualquer momento. Com a Location History desligada, os locais onde você for não são guardados”. “Isto não é verdade”, garantiu a AP. Mesmo com a Location History suspensa, algumas aplicações da Google guardam automaticamente os dados da localização, e respetivo tempo, sem perguntar.

Por exemplo, a Google guarda a localização do utilizador mesmo quando este apenas abre a sua aplicação Mapas. As atualizações diárias automáticas da meteorologia dão uma indicação aproximada da localização do utilizador. E até algumas pesquisas que não têm nada a ver com a localização, como ‘bolos com pedaços de chocolate’ ou ‘conjunto de ciência para crianças’, revelam com exatidão a latitude e longitude do utilizador, com uma precisão ao nível do metro quadrado, e guardam-nas na conta Google deste.

A questão da privacidade afeta cerca de dois milhões de utilizadores de aparelhos onde corre o software Android e centenas de milhões de utilizadores do iPhone, que dependem da Google para mapas ou pesquisas.

Armazenar a informação sobre localização em violação das opções do utilizador é errado, afirmou Jonathan Mayer, cientista da computação na Universidade de Princeton e ex-chefe de tecnologia na autoridade reguladora do setor, a Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês).

Um investigador do laboratório dirigido por Mayer confirmou os resultados da investigação da AP em vários aparelhos Android. A AP fez os seus próprios testes em vários iPhones, que tiveram o mesmo resultado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google guarda localizações dos utilizadores mesmo sem estes quererem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião