TAP acaba com viagens grátis do Governo

  • ECO
  • 16 Agosto 2018

A transportadora está a negociar com o Executivo o atual regime de viagens oferecidas. As novas regras, que vão entrar em vigor rapidamente, passam port tarifas especiais ou pacotes de descontos.

A TAP está a trabalhar com o Governo na definição de novas regras para as viagens dos membros do Executivo, avança esta quinta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago). Até agora, não pagavam bilhete e a prática comum era terem ainda um upgrade para classe executiva. A solução em negociação poderá envolver a criação de tarifas especiais ou pacotes de descontos.

A TAP está a trabalhar com o Governo no estabelecimento de novas regras sobre as condições a aplicar nas viagens de servidores públicos, a adotar proximamente”, confirmou ao Negócios fonte oficial da empresa detida em 50% pelo Estado e 45% pelo consórcio Atlantic Gateway, liderado por Humberto. “A necessidade de adaptação das condições é ditada pela observância das regras de mercado em que a TAP opera”, acrescentou a mesma fonte.

A TAP está a trabalhar com o Governo no estabelecimento de novas regras sobre as condições a aplicar nas viagens de servidores públicos, a adotar proximamente. A necessidade de adaptação das condições é ditada pela observância das regras de mercado em que a TAP opera.

Fonte oficial da TAP

Apesar de ainda não estar nada definido, o fim das viagens grátis é um ponto assente, já que a empresa se rege pelas regras do privado. A solução, que está a ser negociada entre a TAP e o Ministério do Planeamento que tem a tutela da empresa, passará pela criação de tarifas preferenciais para as viagens de membros do Governo e de pacotes de desconto para todos os destinos servidos pela companhia aérea. O objetivo é encontrar uma solução justa para ambas as partes. Não há prazo para a conclusão das negociações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP acaba com viagens grátis do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião