Grécia: Mecanismo Europeu de Estabilidade realça história de êxito nos resgates

  • Lusa
  • 19 Agosto 2018

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, congratulou-se com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate.

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, congratulou-se hoje com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate, apontando que o país será “uma história de êxito”.

“Há algum tempo atrás nada faria crer que Portugal, Espanha, Irlanda e Chipre seriam histórias de êxito. Refiro-me sempre a estes países como as nossas quatro histórias de sucesso. Agora poderei incluir a Grécia neste grupo”, seguindo sempre as reformas acordadas, disse hoje Klaus Regling ao diário grego News247.

O responsável do Mecanismo Europeu lamentou o sofrimento que o povo grego suportou durante os anos do resgate, mas realçou os “resultados positivos” conseguidos pelo programa, como o crescimento da economia ou a redução do desemprego, nos últimos três anos.

Klaus Regling apontou a importância de a Grécia continuar as reformas realizadas e concretizar os compromissos firmados com as instituições credoras.

“Os interesses da Grécia, dos gregos e do Governo estão alinhados com os interesses do MEE: é do interesse mútuo que as reformas continuem, que a Grécia beneficie de um bom crescimento e que se crie emprego”, realçou.

À pergunta acerca da possibilidade de revogar a reforma das pensões — uma intenção do Governo grego com o argumento de que as restantes reformas adotadas são suficientes para atingir os seus objetivos financeiros, com base nos resultados de 2016 e 2017 –, o responsável europeu respondeu apontando a obrigatoriedade de cumprimento de todos os acordos alcançados antes do final do programa de resgate.

Acrescentou que o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, não precisa do seu conselho porque “sabe o que fazer” quando a Grécia recuperar a sua soberania financeira.

Klaus Regling explicou ainda que a Grécia esteve com programas de resgate mais tempo do que outros países, pelo menos, por três razões:

  • o seu ponto de partida era mais complicado devido ao défice orçamental e à significativa perda de competitividade,
  • a fragilidade da administração
  • e o tempo perdido com as decisões do ministro das Finanças Yanis Varoufakis, em 2015.

Na segunda-feira, a Grécia concretiza a saída do seu terceiro programa de assistência, numa data histórica para o país e para a zona euro, que vira a página sobre oito anos de resgates, deixando o euro de ter qualquer membro sob resgate.

Aquele foi o país europeu mais atingido pela crise económica e financeira, foi o primeiro e último a pedir assistência financeira – e o único “reincidente” –, e a conclusão do seu terceiro programa assinala o fim do ciclo de resgates a países do euro iniciado em 2010, e que abrangeu também Portugal (2011-2014), Irlanda, Espanha e Chipre.

O histórico da crise grega e da zona euro recua, pelo menos, a 2010, altura em que tem lugar a primeira cimeira extraordinária de líderes da UE para discutir o “problema grego”, à luz das revelações de que as autoridades gregas haviam ocultado os verdadeiros dados macroeconómicos do país e manipulado os números do défice público, que era afinal, na altura, de 12,5%, mais do dobro do valor anunciado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grécia: Mecanismo Europeu de Estabilidade realça história de êxito nos resgates

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião