Iniciativa Liberal insinua que Santana Lopes copiou as suas ideias e programa

  • Lusa
  • 19 Agosto 2018

O partido Iniciativa Liberal (IL) acusou Pedro Santana Lopes de se estar a tentar colar aos novos movimentos europeus com quem este partido já está envolvido.

Num comunicado, o presidente do recém-formado IL, que aprovou o seu programa político em maio, questiona por que motivo Pedro Santana Lopes nunca fez nada para mudar a orientação do partido no sentido dos movimentos e partidos liberais europeus, nos quais diz que se inspira.

Miguel Ferreira da Silva vai mais longe e acusa o antigo Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa de querer “vir dar cabo do liberalismo sem pensar que está a condenar o país a mais umas décadas de estatismo”, tudo por causa de um “acerto de contas” com o presidente do PSD, Rui Rio, que quer derrotar.

Este líder partidário afirmou ainda que “Santana Lopes, por coincidência ou não, parece que foi copiar muitos temas do programa da Iniciativa Liberal, como a liberalização da segurança social ou da saúde — quando ainda há poucas semanas dizia que queria mais Estado na saúde”.

Sublinhando que o liberalismo económico e social já é defendido pela IL, Miguel Ferreira da Silva considera que se Pedro Santana Lopes quisesse mesmo renovação, deveria apoiar quem representa essa renovação, em vez de “criar outro partido” com a mesma orientação.

As declarações do presidente da IL surgem depois de, no sábado, ter sido noticiado que o novo partido do ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes se vai chamar Aliança e que a recolha de assinaturas para se constituir formalmente arranca na próxima semana

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Iniciativa Liberal insinua que Santana Lopes copiou as suas ideias e programa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião