Bruxelas admite acabar com tarifas sobre automóveis norte-americanos… se Trump fizer o mesmo

A Comissão Europeia admite eliminar as tarifas aduaneiras impostas sobre os carros norte-americanos, se Donald Trump fizer o mesmo. "Seria bom para nós e para eles", diz Bruxelas.

A Comissão Europeia está disposta a eliminar todas as tarifas aduaneiras impostas sobre os bens industriais norte-americanos — incluindo os automóveis —, se Donald Trump aceitar seguir também esse caminho, adianta o Politico. “Estamos disponíveis para avançar para tarifas zero até nos automóveis… se os Estados Unidos fizerem o mesmo”, sublinhou, esta quinta-feira, a comissária Cecilia Malmström, pouco mais de uma semana depois da Casa Branca ter ameaçado, mais uma vez, taxar os carros europeus.

“Do lado da União Europeia, estamos prontos para avançar para tarifas zero em todos os bens industriais, claro que se os Estados Unidos fizerem o mesmo. Portanto, seria numa base recíproca“, salientou a comissária europeia para o Comércio.

No final do julho, Donald Trump e Jean-Claude Juncker já tinham acordado trabalhar no sentido da eliminação das tarifas impostas aos bens industriais, mas tinham excluído dessas negociações o setor automóvel.

Atualmente, aos carros norte-americanos que chegam à União Europeia é imposta uma taxa de 10%, que é significativamente superior à taxa de 2,5% aplicada aos veículos europeus importados pelos Estados Unidos. De notar que, no caso dos camiões europeus, a tarifa aduaneira bastante superior: 25%.

Na semana passada, Donald Trump voltou a ameaçar impor uma taxa de 25% sobre todos os carros europeus que cheguem aos Estados Unidos. Segundo avançou o Presidente à CNBC, foi aliás a constante intimidação desse setor que lhe permitiu ter os europeus à mesa para negociar. “Jean-Claude… está tudo relacionado com os carros”, reforçou.

As conversações com a Comissão Europeia têm sido, de resto, a principal razão pelo qual o relatório sobre as tarifas automóveis — que é o primeiro passa para a introdução das taxas norte-americana — ainda não foi publicado. Segundo o secretário de comércio dos Estado Unidos, citado pelo Wall Street Journal, o prazo da apresentação desse documento foi, entretanto, adiado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas admite acabar com tarifas sobre automóveis norte-americanos… se Trump fizer o mesmo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião