Hoje nas notícias: reformas, preço da habitação e IRS

  • ECO
  • 30 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Há menos funcionários públicos a reformarem-se, de janeiro a julho deste ano o número mensal de novos reformados foi, este ano, sempre inferior a 1.000 pessoas. Na Saúde, alguns funcionários foram excluídos dos concursos de regularização dos precários por não terem as habilitações exigidas. No setor imobiliário, apesar de Lisboa continuar a ser a cidade do país onde as caras são mais caras, o valor da habitação está a subir a passos largos na periferia da cidade.

Falta de habilitações exclui precários da Saúde dos concursos de regularização

Foi em junho que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, prometeu que a situação dos trabalhadores do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) seria solucionada. No entanto, passados dois meses, alguns precários do CHO foram excluídos dos concursos de regularização por não terem as habilitações exigidas e receiam não ser integrados nos quadros.

Leia a notícia completa em Público (acesso pago).

Menos reformas de funcionários públicos

Nunca se reformaram tão poucos funcionários públicos, escreve o Diário de Notícias esta quinta-feira. Entre janeiro e julho, o número mensal de novos reformados foi sempre inferior a 1.000 pessoas, uma quebra de 7% face ao mesmo período do ano passado. Os números não têm, aliás, semelhança com nenhum dos anos anteriores, exceção feita a 2016, ano em que o número de reformas afundou bem como o valor médio pago a novos reformados, inferior a 1.000 euros brutos.

Leia a notícia completa em Diário de Notícias (acesso pago).

Valor das casas na periferia de Lisboa dispara mais de 45%

A capital lisboeta continua a ser a cidade onde as casas são mais caras, mas também o valor da habitação na periferia está a subir, até mais depressa do que em Lisboa. Em Odivelas, Amadora, Oeiras e Almada os bancos aumentaram em mais de 45% a avaliação que fazem dos imóveis residenciais. O ritmo de subida é mais do dobro da média nacional, que se situa em 20% no mesmo período.

Leia a notícia completa em Diário de Notícias (acesso pago).

Helicópteros contra fogos proibidos na Europa operam em Portugal com autorização especial

Os três helicópteros Kamov que o Estado contratou, por cerca de 3,6 milhões de euros, para ajudar no combate dos fogos deste ano pertencem a um empresa moldava que não tem um certificado necessário para poder voar no espaço europeu e que, durante nove anos, esteve na lista negra da União Europeia. Os helicópteros estão a operar em Portugal porque conseguiram uma autorização especial.

Leia a notícia completa em Jornal de Notícias (acesso livre).

Patrões apoiam desconto no IRS dos emigrantes que queiram regressar a Portugal

O desconto no Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS), que António Costa anunciou no passado sábado para os emigrantes que queiram regressar a Portugal, parece ter entusiasmado os patrões. Em resposta ao Jornal de Negócios, os presidentes da CIP, da CCP e da CTP elogiaram a decisão do desconto fiscal. O objetivo é oferecer um desconto de 50% no IRS às pessoas que, tendo sido residentes em Portugal, tenham abandonado o país entre 2011 e 2015 e queiram regressar entre 2019 e 2020, independentemente da sua nacionalidade.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: reformas, preço da habitação e IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião