Wall Street fecha misto. Apple cai mais de 1%

Os índices norte-americanos encerraram em terreno misto, com o S&P 500 e o Nasdaq a recuperarem das quedas acentuadas da última semana. Por sua vez, o industrial Dow Jones fechou no vermelho.

Depois de uma semana de perdas acentuadas, as bolsas norte-americanas encerraram a primeira sessão da semana num cenário misto, com o recuo do industrial Dow Jones. Em queda fechou também a Apple, com os títulos a perderem mais de 1%, depois de Donald Trump ter dito que a empresa fundada por Steve Jobs deveria produzir nos Estados Unidos, de forma a evitar as taxas sobre produtos chineses.

O índice de referência S&P 500 fechou a subir 0,21% para 2.877,61 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valorizou 0,31% para 7.926,77 pontos, naquela que é a primeira subida em cinco sessões.

Por sua vez, o industrial Dow Jones recuou 0,22% para 25.859,72 pontos, prejudicado pelos receios à volta do furacão Florence, que caminha para a costa leste dos Estados Unidos e que, nas últimas horas, alcançou a categoria 4 numa escala até 5, de acordo com o Centro Nacional de Furacões, citado pelo MarketWatch (conteúdo em inglês). As previsões são de que se torne extremamente perigoso ao atingir as costas dos Estados da Carolina do Norte e da Carolina do Sul até quinta-feira.

A todos os cidadãos da Carolina do Norte, Carolina do Sul e de toda a costa leste — a tempestade parece muito má! Por favor, tomem todas as precauções necessárias. Mobilizámos todos os nossos meios para responder da melhor maneira possível, e estamos aqui para vocês”, escreveu Donald Trump, no Twitter.

A empresa fundada por Steve Jobs perdeu 1,34% para 218,33 dólares, depois de o presidente norte-americano ter aconselhado a Apple a produzir naquele território, como forma de evitar as tarifas aplicadas sobre bens chineses. O setor tecnológico é um dos que mais perde com a potencial lista de tarifas de 200 mil milhões proposta por Donald Trump sobre produtos importados da China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street fecha misto. Apple cai mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião