Catarina Martins: “Tenho de concluir que o primeiro-ministro não estava informado”

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) falou aos jornalistas sobre a Taxa Robles, afirmando que "as negociações têm corrido bem com o Ministério das Finanças".

Num dia marcado pela proposta apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE) para travar a especulação imobiliária, Catarina Martins adiantou aos jornalistas que “as negociações têm corrido bem com o Ministério das Finanças“, não compreendendo, por isso, as declarações de António Costa, ao dizer que esta medida foi “feita à pressa”. “Acredito, e pode acontecer que, num processo negocial, o primeiro-ministro não acompanhe todos os dossiê“, afirmou.

“Esta é uma proposta que estamos a trabalhar desde maio, e que desde junho que o senhor ministro das Finanças conhece”, começou por explicar a coordenadora dos esquerdistas. “Nós sabemos que temos um problema de bolha especulativa no imobiliário e esta parece-nos uma proposta sensata, que está a ser negociada nos seus termos exatos e as negociações têm corrido bastante bem”.

Questionada sobre as declarações de António Costa, que considera que a proposta do parceiro parlamentar foi “feita à pressa” e que duplica um imposto que já existe e que é suficiente, Catarina Martins comentou: “Ouvi as declarações e tenho que concluir que, eventualmente, o primeiro-ministro não estava informado“.

“Quero acreditar que, eventualmente, o primeiro-ministro, que acompanha muitos dossiês, não terá ainda falado com Centeno sobre esta matéria. As negociações sobre o Orçamento do Estado para 2019 são complexas e acho que ganhamos muito mais em trabalhar as propostas sensatas, que correspondem a necessidades do país e fazermos essa negociação do que propriamente estarmos a ser tremendistas e anunciar fechos de processos que até estão a correr bem“, disse.

“No momento em que há uma bolha imobiliária, é uma forma de encontrar uma medida pela via da fiscalidade de travar essa especulação que é uma das formas pelo que o preço das casas tem vindo a subir”, continuou, adiantando que o partido “deve continuar a fazer este trabalho” sobre o imobiliário, para além de outras medidas nas quais tem estado a trabalhar. “Estamos a trabalhar na questão da habitação em várias frentes“, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catarina Martins: “Tenho de concluir que o primeiro-ministro não estava informado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião