Portugal e Angola têm de se encontrar “pelo menos todos os anos”, diz Costa

  • ECO
  • 16 Setembro 2018

Em entrevista ao DN, o primeiro-ministro explica que as relações entre Lisboa e Luanda já não estão ensombradas e que Angola vai ser "um dos grandes motores de desenvolvimento" de África.

O primeiro-ministro, António Costa, defende que, depois de resolvido o caso do “irritante”, as relações entre Lisboa e Luanda já não estavam ensombradas e que os dois países deviam encontrar-se pelo menos todos os anos.

“Ficou sempre muito claro que as relações entre Portugal e Angola não tinham nenhum problema político. Eram boas do ponto de vista económico e tinham um único irritante que se prendia com uma questão judicial. Ultrapassada essa questão judicial, nada mais ensombrava as nossas relações”, disse o chefe do Governo português em entrevista ao DN, publicada este domingo, um dia antes da partida para a visita oficial a Angola.

Costa sugere ainda que os contactos e encontros devem ser intensificados. “Pelo menos todos os anos”, diz.

“Angola tem um papel fundamental porque vai ser um dos grandes motores do desenvolvimento do continente africano. E o facto de ela ter uma presença forte na Europa reforça a sua posição. Angola tem condições para não estar virada sobre si mesma, abrir-se ao mundo e ao continente. Todos temos uma enorme expectativa de que, com o presidente João Lourenço, Angola afirme esse papel de liderança”, antecipa na mesma entrevista.

Costa explica depois a importância que Angola tem para Portugal. “Angola não é só um mercado de exportação”, adianta. “É também um excelente mercado de emprego“, onde “temos 170 mil portugueses” a residir.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e Angola têm de se encontrar “pelo menos todos os anos”, diz Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião