Lusa e RTP fecham em Luanda acordos com a Televisão Pública de Angola

  • Lusa
  • 15 Setembro 2018

O objetivo é "estreitar as relações entre a Lusa e os 'media' angolanos" também no que respeita à "troca de conteúdos que possam enriquecer a nossa linha noticiosa", admitiu o presidente da Lusa.

A Agência Lusa e a RTP assinam na terça-feira, em Luanda, protocolos de cooperação com a TPA (Televisão Pública de Angola), com incidência especial no domínio da formação profissional, em particular na área da multimédia.

Estes protocolos serão formalmente fechados durante o segundo e último dia da visita oficial a Angola do primeiro-ministro, António Costa, cujo programa terá então uma forte componente institucional.

Os acordos serão assinados pelos presidentes da Lusa, Nicolau Santos, da RTP, Gonçalo Reis, e da TPA, José Guerreiro, pelas 16:30, na sede de televisão angolana, na presença do ministro da Comunicação Social de Angola, João Melo, e de um secretário de Estado do Governo português, entre outros representantes de entidades oficiais dos dois países.

No caso específico da Lusa, o acordo de formação profissional com a TPA terá um caráter institucional, não envolvendo contrapartidas financeiras.

Entre outros aspetos, o protocolo prevê o envio de formadores a Angola, mas, igualmente, a frequência de cursos de formação em Lisboa.

“O objetivo é estreitar as relações entre a Lusa e os ‘media’ angolanos, não só na área da formação, como também no que respeita à troca de conteúdos que possam enriquecer a nossa linha noticiosa”, afirmou o presidente do Conselho de Administração da Agência Lusa, Nicolau Santos.

A Agência Lusa tem em perspetiva a assinatura a prazo de protolocos semelhantes com a Rádio Nacional de Angola (RNA) e com o Jornal de Angola, assim como um acordo de cooperação com a Angop, o qual, além da vertente da formação profissional, contempla também o objetivo de as duas agências procederem a uma troca de serviços e a assistência mútua.

Já no plano comercial, a Agência Lusa tem em curso um programa de alargamento da sua operação em Angola, designadamente com uma aposta no aumento da produção de vídeo e com a contratação de um jornalista para cobrir o eixo Benguela/Lobito.

Uma das mudanças reside na possibilidade de os clientes angolanos poderem agora efetuar os seus pagamentos em kwanzas, cuja receita servirá diretamente para financiar a expansão da operação da Agência Lusa em Angola.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lusa e RTP fecham em Luanda acordos com a Televisão Pública de Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião