Rio nega divisões na direção do PSD e que tenha proposto um aumento da carga fiscal

  • Lusa e ECO
  • 15 Setembro 2018

Rio rejeita divisões no núcleo duro do PSD, insiste no diálogo entre partidos e diz que o CDS não percebeu o que ele próprio disse sobre a tributação das mais-valias imobiliárias.

O presidente do PSD rejeitou este sábado a existência de divisões dentro da sua direção, insistiu na defesa de uma abertura ao diálogo com todas as forças políticas e criticou o “ruído” vindo dos corredores da política. Rui Rio garantiu ainda que a proposta do partido para tributar as mais-valias imobiliárias não representa um aumento da carga fiscal.

Estas posições foram assumidas por Rui Rio numa conferência de imprensa, num hotel de Lisboa, com o presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado.

Confrontado com notícias de que as divisões no interior do PSD chegaram já à própria Comissão Permanente dos sociais-democratas, Rui Rio respondeu de forma sumária: “Se os pressupostos da pergunta fossem verdadeiros, eu teria de estar não preocupado, mas, antes, muito preocupado”.

“Mas como os pressupostos da pergunta não são verdadeiros, eu não estou preocupado com isso“, disse.

Interrogado sobre a forma como se tem posicionado no quadro político nacional, o presidente do PSD voltou a rejeitar soluções de Governo com o PS num quadro de normalidade democrática, mas insistiu na necessidade de os sociais-democratas rejeitarem uma atitude sectária face a propostas provenientes de outras forças política.

“Aquilo que sempre defendi – e repito – é que uma coisa é a disponibilidade para o diálogo com todos os partidos, sem exceção, respeitando todos, em nome daquilo que Portugal precisa, em nome de reformas que têm de ser feitas e que só podem ser concretizadas com maiorias alargadas à escala parlamentar. Outra coisa completamente diferente é a disponibilidade para participar em coligações com partidos como o PS”, afirmou.

Na perspetiva do presidente do PSD, qualquer pessoa de bom-senso percebe” aquilo que está a defender.

“Acho que, tirando este ruído dos corredores da política, o povo português percebe isto como ninguém. Temos de estar disponíveis para colaborar em nome do interesse nacional e não se adotar o princípio de à partida estar-se contra tudo e contra todos”, frisou.

Para Rui Rio, não se devem excluir soluções de Governo excecionais em situações extraordinárias do ponto de vista institucional, tal como admitiu poder estar a acontecer em Espanha.

Mas Portugal, em 2018, do ponto de vista institucional, de acordo com o presidente do PSD, não se encontra nessa situação excecional.

Rio nega aumento da carga fiscal e diz que CDS não percebeu proposta do PSD

Rui Rio desvalorizou também as críticas do CDS-PP à sua proposta no sentido de defender a introdução de uma progressividade na tributação de mais-valias imobiliárias em sede de Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS), penalizando mais os processos especulativos de compra e venda rápida.

O presidente do PSD rejeitou que tenha proposto um aumento da carga fiscal no âmbito do Orçamento do Estado para 2019.

“O CDS comentou com base num não entendimento, dizendo que vai aumentar a carga fiscal. Não há nenhum aumento da carga fiscal. Nem sequer entenderam bem aquilo que foi dito“, respondeu. O objetivo da proposta é penalizar mais quem transaciona casas mais rapidamente.

O presidente do PSD considerou ainda prioritária a concretização da União Bancária, com a criação de um fundo de garantia de depósitos à escala europeia, e classificou como fundamental o equilíbrio orçamental na zona euro.

Perante os jornalistas, o presidente do PSD referiu que, na próxima semana, antes do Conselho Europeu, participará na Áustria numa reunião de líderes do Partido Popular Europeu (PPE), durante a qual defenderá a necessidade de uma conclusão rápida da União Bancária no âmbito da reforma da União Económica Monetária.

“Países como Portugal e Espanha têm a ganhar se a União Bancária se concretizar, designadamente a questão referente ao Fundo de Garantia de Depósitos à escala europeia. Hoje, o fundo de garantia tem apenas uma escala nacional – o que é muito mais débil em comparação com o projeto de União Bancária”, disse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio nega divisões na direção do PSD e que tenha proposto um aumento da carga fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião