Taxistas vão parar ruas de Lisboa. Estas são as praças e avenidas a evitar em dia de protesto

Os taxistas regressam, esta quarta-feira, às ruas de Lisboa para impedir que a chamada "lei Uber" entre em vigor. Descubra quais as praças e avenidas a evitar, em dia de protesto.

Uma, duas, três, quatro. Esta vai ser a quarta vez que os taxistas se vão manifestar contra a chamada “lei Uber”, para evitar que a lei que regula as quatro plataformas eletrónicas de transporte que operam em Portugal — Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé — entre em vigor a 1 de novembro.

Tendo em conta eventuais constrangimentos que possam surgir na capital portuguesa, esta quarta-feira, na “fluidez do tráfego“, a Câmara Municipal de Lisboa — assim como a PSP — apelam “à utilização dos transportes públicos” em vez do “transporte individual“, acrescentando em comunicado que a “Carris, o Metropolitano de Lisboa e a Carristur vão proceder ao ajuste dos seus serviços“.

Ao todo deverão ser cinco as praças e avenidas lisboetas condicionadas pelos taxistas que, ao contrário das manifestações anteriores, vão ficar “estacionados” na faixa de rodagem. Descubra quais as ruas a evitar, em dia de protesto:

Praça dos Restauradores, Avenida da Liberdade, Avenida Fontes Pereira de Melo, Praça Duque Saldanha e Avenida da República são as ruas que vão estar condicionadas ao trânsito, em dia de protesto dos taxistas.Lídia Leão

À exceção dos veículos de emergência, polícia e transporte coletivo de passageiros, a Praça dos Restauradores e a Avenida da Liberdade vão estar cortadas ao trânsito a partir das 05h00.

O protesto surge depois de a lei, que regula as plataformas que agregam motoristas em carros descaracterizados, ter sido aprovada, no parlamento, a 12 de julho e promulgada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a 31 de agosto.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxistas vão parar ruas de Lisboa. Estas são as praças e avenidas a evitar em dia de protesto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião