Itália assusta bolsas europeias. Orçamento em risco afunda bancos

A praça nacional segue a tendência negativa dos principais índices europeus. O BCP está a condicionar a negociação na bolsa de Lisboa.

Lisboa volta a perder valor. Numa sessão marcada pela tendência negativa dos principais índices europeus perante os receios em torno do adiamento da votação do orçamento em Itália, a praça portuguesa recua 0,2%. O BCP pressiona, numa sessão em que os títulos do setor energético também pesam. A Galp Energia destaca-se pela positiva, beneficiando da subida do petróleo.

A bolsa nacional recua para os 5.380 pontos, com a maioria das cotadas com sinal negativo. Na Europa, as perdas variam entre os 0,1% e os 0,4%, com o Stoxx 600, o índice de referência para o Velho Continente, a desvalorizar 0,2%.

Os investidores mostram-se apreensivos com a política italiana. O Corriere della Sera revela que o Executivo italiano tem até esta quinta-feira para apresentar no Parlamento as metas macroeconómicas do orçamento. Contudo, poderá adiar essa apresentação. A reação não se faz esperar: os juros da dívida de Itália disparam 14 pontos base.

A escalada das taxas das obrigações nos mercados está a pesar nos bancos italianos, levando o índice do setor em Itália a afundar 1,8%, pressionando todo o setor na Europa. Em Lisboa, o BCP não escapa. Depois das fortes subidas com a expectativa em torno do regresso do banco aos dividendos, os títulos cedem 0,19% para 26,20 cêntimos.

Além do BCP, a pesar na bolsa nacional estão também os CTT, que recuam 0,36%, mas também as papeleiras e as empresas do setor energético, com, a EDP a deslizar 0,17% para 3,249 euros.

A Galp Energia, por seu lado, valoriza. As ações da petrolífera sobem 0,86% para 17,095 euros, uma evolução positiva que evita uma queda mais acentuada do PSI-20.

Os títulos da empresa liderada por Carlos Gomes da Silva seguem a tendência dos preços do petróleo nos mercados internacionais. O Brent, negociado em Londres, sobe mais de 1%, estando a cotar bem acima dos 82 dólares, renovando assim máximos de mais de quatro anos.

(Notícia atualizada às 8h13 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália assusta bolsas europeias. Orçamento em risco afunda bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião