Auditoria dos CTT à qualidade dos serviços não oferece garantias, diz a Anacom

Após uma auditoria aos indicadores de qualidade de serviço dos CTT, a Anacom conclui que, em 2016, "a independência do sistema de medição não pode ser garantida".

Após uma auditoria aos indicadores de qualidade de serviço dos CTT nos últimos dois anos, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) conclui que, em 2016 — ano em que a empresa dos correios realizou uma medição desses indicadores –, “os procedimentos de medição implementados correm o risco de não refletir adequadamente a qualidade do serviço oferecido aos consumidores“.

Os CTT realizaram uma auditoria à qualidade dos seus serviços, de outubro a dezembro de 2016 e em 2017, através da contratação de de uma entidade externa independente, a PwC. A Anacom decidiu analisar essa auditoria, através da Grant Thornton, tendo críticas a fazer a ambos.

“O cálculo dos valores dos indicadores de qualidade de serviço (IQS) foi efetuado de acordo com a metodologia definida e apenas se registaram erros no apuramento dos valores de dois IQS, ambos em 2017: correio normal não entregue até 15 dias úteis e correio azul não entregue até 10 dias úteis”, diz a Anacom.

“De acordo com a auditoria, a metodologia aplicada em 2017 na fórmula de cálculo destes indicadores não estava correta, mas os desvios a que conduziu não foram significativos, não tendo tido impacto no cumprimento dos valores objetivo e mínimo fixados”, refere o regulador.

Neste sentido, explica a Anacom, “os procedimentos de medição implementados correm o risco de não refletir adequadamente a qualidade do serviço oferecido aos consumidores”. Os CTT reagiram de imediato, salientando que a medição feita nessas datas cumpre com as melhores práticas do setor.

“Os CTT são os primeiros e principais interessados numa medição correta, íntegra e fidedigna, tudo fazendo permanentemente para que o processo seja um dos contributos para as constantes iniciativas de melhoria contínua”, diz a empresa liderada por Francisco Lacerda.

“O sistema de medição de qualidade do serviço postal universal segue as melhores práticas de medição de qualidade do setor postal Europeu, estando em conformidade com as normas emitidas neste âmbito pelo Comité Europeu de Normalização (CEN). Lembramos que, nos termos da Lei, desde outubro de 2016 que a medição é feita por uma entidade externa (PwC)”, remata a empresa de correios.

Perante este Sentido Provável de Decisão da Anacom, em que o regulador apresenta um conjunto de alterações à metodologia a utilizar em futuras medições, apesar de reforçar a qualidade dos testes realizados, os CTT dizem que “irão analisar com detalhe as recomendações efetuadas sobre esta matéria”.

(Notícia atualizada às 18h02 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Auditoria dos CTT à qualidade dos serviços não oferece garantias, diz a Anacom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião