Benfica perdeu em campo, mas foi campeão nas contas

O Futebol Clube do Porto venceu o campeonato, mas perdeu nas contas. Teve o maior prejuízo entre os "três grandes" numa época em que só o Benfica escapou.

O Benfica queria arrebatar o primeiro penta da sua história, mas o empate a zero com o rival de Alvalade na penúltima jornada da Liga Nos deu o título aos dragões. Não cumpriu o sonho no relvado, mas acabou por brilhar no campo financeiro ao ser o único dos “três grandes” do futebol nacional a dar lucro. E a fechar a época com um balanço positivo, ao contrário de Porto e Sporting que estão com capitais próprios negativos.

A SAD liderada por Luís Filipe Vieira viu os seus resultados encolherem de forma expressiva na época 2017/2018, mas mesmo assim conseguiu apresentar resultados líquidos positivos de 20,58 milhões de euros. Os resultados caíram para menos de metade, mas ficaram em terreno positivo numa temporada em que o Sporting registou prejuízos de 19,9 milhões e o Porto chegou aos 28,4 milhões — os azuis e brancos foram os únicos a melhorar os resultados líquidos, mas continuaram no “vermelho”.

Só o Benfica deu lucro

Fonte: Resultados das SAD | Nota: Valores em milhões de euros

Os “três grandes” sofreram quase todos do mesmo “mal” nesta temporada. Tiveram todos maus desempenhos nas competições europeias, mas principalmente fecharam, quase todos, menos negócios milionários com jogadores. Só o Porto arrecadou mais com atletas na última época (50 contra 41,2 milhões no período homólogo), enquanto Benfica e Sporting registaram quebras de 45 e quase 60 milhões de euros, respetivamente, nos proveitos com as transações de atletas.

O negócio das transferências de jogadores fez-se sentir de forma expressiva nos resultados operacionais de todas as SAD, com Porto e Sporting no “vermelho” e Benfica no “verde”, mas aquém do resultado registado na época 2016/2017. Foi suficiente para ofuscar a melhoria registada em quase todas as SAD no que toca às receitas excluindo passes de atletas. O Benfica registou uma redução de 128 para 121 milhões de euros (uma quebra de 5%), mas tanto Porto como Sporting aumentaram-nas em 7% e 15%, respetivamente.

Passivo das SAD encolhe

Perante os resultados líquidos negativos apresentados na última temporada, mas também empréstimo obrigacionista emitido em junho passado, no valor de 35 milhões de euros, o Porto viu o seu passivo disparar. Ascendeu a 464 milhões de euros, um agravamento de 76,6 milhões de euros no espaço de um ano que faz com que a SAD liderada por Pinto da Costa passe a apresentar o maior passivo dos “três grandes”, superando o Benfica.

A SAD do Sporting conseguiu encolher o passivo de 190 para 173 milhões, mas foi a SAD encarnada que brilhou neste campeonato ao revelar uma quebra de 40,1 milhões de euros “no decorrer do exercício de 2017/2018, o que significa que no final do período atinge um valor de 398,3 milhões de euros. De realçar que a sociedade volta a apresentar um passivo consolidado inferior a 400 milhões de euros, o que não se verificava desde o final do exercício de 2010/2011″, nota a SAD. Ou seja, está em níveis pré-troika.

Perante este resultado do Benfica, e apesar do forte aumento registado no passivo do Porto, o valor em dívida por parte dos “três grandes” do futebol português acabou por cair, baixando da fasquia dos mil milhões de euros, de acordo com cálculos do ECO. Caiu de 1.007 para 997 milhões de euros.

Porto e Sporting em risco

Mais importante do que o passivo em si, é olhar para o passivo em função do ativo. Ou seja, o capital próprio. Neste campo, e ao contrário do que aconteceu no relvado na última época, o Benfica volta a sagrar-se campeão. No exercício de 2017/2018, o capital próprio “apresentou uma melhoria de 19,1 milhões de euros, o que corresponde ao quinto exercício consecutivo em que a situação líquida apresenta uma variação positiva”, diz a SAD, rematando que os 86,8 milhões de euros registados são o “valor mais alto de sempre”.

Contrariamente à solidez do Benfica, regista-se uma enorme debilidade no balanço tanto do Sporting como do Porto. A SAD verde e branca passou de capitais próprios positivos para 13,3 milhões negativos no último ano da liderança de Bruno de Carvalho, enquanto o Porto passou de 9,1 milhões negativos para um valor quatro vezes pior. Estão ambos em situação de falência técnica.

Nas contas referentes à última temporada, os responsáveis azuis e brancos desvalorizam os sinais de alerta. Sublinham que o capital próprio da SAD se encontra subvalorizado, o plantel e o direito de utilização da marca “FC Porto” estão contabilisticamente registados bem abaixo do seu valor de mercado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica perdeu em campo, mas foi campeão nas contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião