Há mais de 2.000 “multas da Uber”. IMT abre a porta a perdão

  • Lusa
  • 12 Outubro 2018

Ao abrigo de uma lei de 2016, existem mais de 2.000 multas a motoristas e parceiros das plataformas de transporte. Mas o IMT já admite a possibilidade de perdão das coimas, por causa da nova lei.

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) confirmou que existem 2.297 contraordenações às plataformas eletrónicas de transporte, revelando que terão de ser “analisadas e enquadradas” após a entrada em vigor da lei que irá regular o transporte em veículos descaracterizados. A entidade abre ainda a porta ao perdão de coimas associadas à atividade dos motoristas ao serviço de aplicações como a Uber, Cabify, Taxify e Chauffeur Privé.

Em resposta à agência Lusa, o IMT avançou que a lei 35/2016, que veio regulamentar o acesso à atividade e ao mercado dos transportes em táxi, reforçando as medidas dissuasoras da atividade ilegal neste setor, foi possível instaurar um total de 2.297 processos de contraordenação. Em 2016 foram levantadas 34 contraordenações, em 2017 1.628 e durante 2018 foram passadas 635.

Existem duas tipologias de infração: quanto ao exercício da atividade sem o alvará, tendo o IMT registado 517 processos; e quanto à prática de angariação, com recurso a sistemas de comunicações eletrónicas, de serviços para viaturas sem alvará, que registou 1.780 processos.

De acordo com a nota do IMT, atendendo que a prática das infrações ocorreu no âmbito de um determinado quadro legal (lei 35/2016), os processos em curso “terão que ser analisados e enquadrados no novo regime, de acordo com a tipologia infracional, a data dos factos e qual o regime que se mostra mais favorável aos arguidos”.

“Assim, no que se refere aos processos de contraordenação, e em geral, há que ter presente que a estes se aplica o princípio constitucional ‘do tratamento mais favorável ao arguido’”, refere o IMT. Desta forma, o instituto adianta que “não poderá assumir que os processos instaurados deixarão de ter cabimento”, lembrando que “há que proceder a uma análise dos mesmos de forma individualizada considerando perante o caso concreto qual o regime aplicável. Quanto ao valor das coimas, adianta o IMT que “só após decisão da autoridade administrativa competente em processo de contraordenação, sem que tenha havido impugnação judicial, é que podem ser apurados os valores”.

As associações representativas dos taxistas pediram na quinta-feira esclarecimentos aos grupos parlamentares sobre a alegada possibilidade de o Governo vir a perdoar 4,6 milhões de euros das contraordenações às plataformas eletrónicas de transporte. Em comunicado, a Federação Portuguesa do Táxi (FPT) e a ANTRAL adiantam que o pedido surge depois de terem sido divulgadas notícias de que estariam pendentes no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) “2.297 processos de contraordenações instaurados aos operadores das plataformas, por violação da Lei 35/2016, dos quais resulta, feitos os cálculos pela respetiva coima mínima, o valor global de 4,6 milhões de euros”.

A lei 35/2016, que entrou em vigor em novembro de 2016, regulamenta o acesso à atividade e ao mercado dos transportes em táxi e fortalece as “medidas dissuasoras de atividade ilegal” no setor. As coimas pelo exercício ilegal de transporte de táxi foram reforçadas com essa lei. Pelo exercício da atividade sem o alvará, as coimas passaram a ser entre 2.000 e 4.500 euros (pessoa singular) e entre 5.000 e 15.000 (pessoa coletiva).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais de 2.000 “multas da Uber”. IMT abre a porta a perdão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião