Perdão de multas à Uber? Sem lei, “há dúvidas” no terreno, diz José Mendes

José Mendes, secretário de Estado, foi ao Parlamento explicar porque sugeriu um perdão das multas a motoristas e parceiros da Uber e da Cabify: disse que é só "uma proposta".

O secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, foi esta quarta-feira ao Parlamento explicar o que quis dizer quando afirmou, numa entrevista ao Expresso, que “devia ser considerado um mecanismo de limpeza” das multas que estão a ser passadas aos motoristas e empresas parceiras de plataformas como a Uber e a Cabify. “Sou da opinião de que se trata de um momento zero”, disse, numa audição requerida pelo PCP.

“Vale a pena explicar qual é o racional dessa afirmação: o facto de existir no Parlamento uma proposta de lei para este tema, duas propostas de lei e propostas de alteração, é porque não há regulamentação para este tema. Se houvesse regulamentação, não fazia sentido que estas propostas fossem apresentadas”, explicou José Mendes, sublinhando que “a dúvida existe” no terreno.

Desta forma, José Mendes entendeu “sugerir” ao Parlamento que “pudesse definir um momento zero”. “Nunca sugeri que houvesse um perdão de multas a multinacionais, ou à Uber. As multas estão a ser passadas aos motoristas e outros pequenos operadores”, clarificou o governante.

Nunca sugeri que houvesse um perdão de multas a multinacionais, ou à Uber. As multas estão a ser passadas aos motoristas e outros pequenos operadores.

José Mendes

Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente

Sendo uma sugestão, o secretário de Estado descartou que tenha feito “um juízo de valor sobre o que são as prioridades da Assembleia da República (AR)”. “Como digo, é uma proposta. A democracia em si mesma vive muito bem com isso se os diferentes grupos parlamentares entenderem que não faz sentido”, disse na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. “Os senhores têm aqui matérias de todas as áreas de governação e sabem as matérias que estão em cima da mesa”, reconheceu José Mendes Por isso, concluiu: “É uma proposta. Não mais do que isso. E os senhores deputados farão com ela o que bem entenderem.”

Plataformas como a Uber e a Cabify aguardam regulamentação há mais de um ano. Os trabalhos foram retomados em dezembro e ainda decorrem na AR. Em novembro de 2016, foi passada uma alteração legislativa no Parlamento que tornou a prestação destes serviços ilegal para as autoridades portuguesas, como o ECO avançou em primeira mão no ano passado. É com base nessa alteração que têm vindo a ser autuados os motoristas e as empresas que trabalham com base nesta tecnologia, sobretudo em cidades como Lisboa e Porto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perdão de multas à Uber? Sem lei, “há dúvidas” no terreno, diz José Mendes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião