Secretário de Estado da Energia também sai na remodelação

  • ECO
  • 14 Outubro 2018

Jorge Seguro Sanches também será substituído no Governo, agora que Manuel Caldeira Cabral sai da Economia, e a tutela da Energia passa para o Ambiente.

O secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, sai do Governo na remodelação de António Costa, no momento em que o seu pelouro passa para a tutela da Energia, avança a SIC Notícias este domingo.

A pasta da Energia passou do Ministério da Economia, cujo ministro Manuel Caldeira Cabral foi exonerado, para o do Ambiente. O novo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, tinha pedido escusa relativamente aos temas relacionados com a energia enquanto ministro Adjunto.

A remodelação anunciada este domingo, na véspera da apresentação do Orçamento do Estado para 2019, chega no contexto da demissão do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, na sexta-feira. Com a exoneração de quatro ministros este domingo, anunciada pelo Presidente da República no seu site oficial, saem também os respetivos secretários de Estado, de acordo com o previsto na lei.

A passagem do pelouro da Energia para o Ministério do Ambiente foi louvada por associações ambientalistas como a Zero e pelo PAN, embora preocupe o Bloco de Esquerda: Catarina Martins teme que, numa altura crítica para a negociação das rendas consideradas excessivas para as energéticas, a mudança de tutela possa prejudicar os avanços iminentes.

Manuel Caldeira Cabral foi exonerado enquanto ministro da Economia após três anos à frente de um dos maiores ministérios, que concentrava em si a energia, as empresas, a indústria e o comércio. Na semana passada, Caldeira Cabral deu por si no centro da polémica devido à nomeação do deputado socialista Carlos Pereira para vogal da ERSE, reguladora da energia — escolha que assumiu como sua numa audição parlamentar esta sexta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Secretário de Estado da Energia também sai na remodelação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião