5 startups que estão a revolucionar o setor dos seguros

O avanço tecnológico tem impulsionado a criação de cada vez mais ‘startups’ em Portugal, algumas com soluções totalmente inovadoras que prometem revolucionar os seguros tradicionais.

É cada vez maior o número de startups a surgir no mercado, algumas focadas em tecnologia associada ao setor da banca, conhecidas como fintech, e outras com tecnologia orientada para o setor segurador, as insurtech. Em Portugal, o desenvolvimento das insurtech tem sido mais lento e, na maioria dos casos, estas optam por se posicionarem a nível internacional, devido à maior abertura do mercado a este tipo de tecnologia e consequente potencial de crescimento.

“A indústria de insurtech em Portugal ainda é muito reduzida e não temos visto exemplos de uso em Portugal. Conhecemos alguns casos, mas que estão a posicionar-se a nível internacional”, admite Pedro Pinto Coelho, presidente da Associação de Fintech e Insurtech Portugal (AFIP), em declarações ao ECO.

Da parte das seguradoras, já existe uma perceção do valor que estas startups lhes podem trazer, preferindo trabalhar enquanto parceiros, em vez de concorrentes. Para Pedro Pinto Coelho esta parceria é vantajosa para ambos os lados: “O setor segurador deverá encarar as tecnológicas como aliadas permitindo reduzir os seus custos de aquisição de clientes e criar novos modelos de negócio mais ajustados às necessidades dos clientes”.

Porém, é necessário investir no desenvolvimento de mais projetos a nível das insurtech: “A nossa preocupação resulta de não haver mais iniciativas para oferecer soluções inovadoras tal como assistimos em outros mercados”, acrescentou o presidente da AFIP.

Para melhor compreender o impacto destas iniciativas, o ECO entrevistou os responsáveis de cinco startups para conhecer o trabalho que estão a desenvolver.

Ibshurance/Activetech

João Medina, CEO da IBSHurance/ ActiveTech explica que esta startup foi fundada por uma equipa de profissionais que trabalharam em diferentes áreas do setor segurador. Isso permitiu-lhes desenvolver uma solução “web/app altamente flexível” que agrega uma variedade de funções desde front office para apoio das equipas no terreno; backoffice, para apoio dos departamentos internos, que permite configurar processos e distribuir automaticamente tarefas às equipas; integração de dados de diferentes sistemas informáticos num só local; e ainda uma análise estatística aprofundada, com uma perspetiva 360º em tempo real.

Deste modo, esta solução permite às seguradoras aumentar em 65% a produtividade das suas equipas, reduzir os custos em 75% através da eliminação das tarefas redundantes e, consequentemente, melhorar a experiência de serviço dos seus clientes. Como explica João Medina, esta solução faz com que os processos de sinistros/assistência “sejam executados de forma mais célere e eficiente, informando em tempo real e de forma pró-ativa o consumidor sobre o andamento do seu processo de sinistro através de diversos canais disponíveis”.

MySeg

Duarte Leite de Castro, CEO da MySeg explica o conceito desta startup: “A MySeg é uma aplicação gratuita (iOS, Android e Web) que permite aos clientes gerir e otimizar os seus seguros através de um smartphone ou pc. Com a MySeg, pode aceder num só sítio e consultar toda a informação sobre os seus seguros, esclarecer dúvidas, melhorar as condições atuais ou contratar novos seguros.”

O grande objetivo desta startup é o de melhorar a experiência do cliente de seguros, reunindo toda a informação relativa aos diferentes seguros que possui num só local, facilitando todo o processo de gestão dos mesmos. Apesar de ser recente, os dados revelam que esta aplicação tem permitido aos clientes fazer poupanças diretas, otimizar as coberturas dos seguros que possuem e melhorar a sua experiência.

Paylink Solutions

Luís Filipe Moreira, Iberia country manager da Paylink Solutions dá a conhecer o potencial desta startup para o setor segurador: “A Paylink Solutions pertence ao grupo Totemic, especializado em diferentes serviços financeiros, enquadrados para todos o ciclo de vida de um crédito independentemente da indústria, e o exemplo são os vários clientes que temos no mercado imobiliário, bem como na indústria seguradora através da Building Block Insurance. A Building Block Insurance na prática é uma seguradora de nicho. Isto é, ao contrário das seguradoras tradicionais que têm vários produtos ‘standard’ já desenvolvidos, Vida, Automóvel, etc., na Building Block Insurance desenhamos e desenvolvemos toda a criação de um determinado seguro de acordo com os requisitos do nosso distribuidor em função das suas necessidades.”

Deste modo, as soluções desta startup concentram-se “na experiência do cliente – tornando mais fácil para os consumidores fornecer informações reais e precisas, o que permite tomar decisões rápidas e com menos risco”. Isto possibilita a criação de novos produtos feitos “à medida” e uma gestão mais rápida e eficiente do seguro.

UpHill

Eduardo Freire Rodrigues, CEO da UpHill, explica ao ECO como a melhoria da tecnologia no setor da saúde, poderá melhorar o atendimento do cliente, assim como otimizar processos relacionados com acidentes de trabalho: “A UpHill desenvolve software para treino clínico avançado e análise da compliance com protocolos de boas-práticas. Os nossos produtos estão nas unidades de saúde e, depois do Protechting (programa de aceleração para startups), estamos a desenvolver a aplicação do nosso software para otimização da avaliação de acidentes de trabalho, nomeadamente na determinação do nexo de causalidade.”

Tendo como clientes dois grandes grupos privados de saúde em Portugal, o software desenvolvido por esta ‘startup’ permite uma melhor performance dos profissionais de saúde, que terá diversos benefícios para o consumidor como o acesso a cuidados de saúde uniformes e “mais próximos das boas práticas internacionais”.

Visor.ai

Lançada em 2016 e vencedora do Protechting em 2017, esta startup dedica-se ao desenvolvimento de chatbots: “Na Visor.ai ajudamos grandes empresas a automatizar as suas interações retirando assim carga dos seus canais de atendimento. Fazemo-lo através de chatbots, que são assistentes virtuais e que simulam uma conversação humana com o cliente através de um canal de chat com recurso a inteligência artificial. Para isso utilizamos as nossas próprias plataformas que combinam Machine Learning e Processamento de Linguagem Natural”, explica fonte oficial da empresa.

Esta abordagem tecnológica é cada vez mais procurada por diversos setores, dos quais se destaca o setor segurador, pois “estes podem trazer valor de várias formas e em diferentes momentos da cadeia de valor, e prova disso são os vários projetos que estamos a desenvolver com duas das principais seguradoras a nível nacional”.

Num dos casos, estes chatbot estão a ser implementados tanto a nível interno, servindo de ponto de contacto entre a rede de mediadores e o contact center, e também a nível externo, aberto ao público, através de um webchat no website da empresa, que tem dois objetivos distintos: a geração de leads comerciais para captar mais negócio nos ramos automóvel e saúde, e ainda criar um apoio para responder às principais questões dos utilizadores como apoio do serviço ao cliente. Deste modo, o grande potencial desta inovação para o consumidor é este poder ter acesso a um assistente comercial, adaptado às necessidades de cada empresa e respetivos clientes, 24 horas por dia e 7 dias por semana.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 startups que estão a revolucionar o setor dos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião