Seis coisas que aprendi a ouvir pitch no Protechting

Em busca do pitch perfeito, o ECO assistiu a uma tarde de demonstrações com direito a 14 corridas ao pódio. No final, partilhamos as conclusões.

Julio Pernía, CEO da Bdeo, uma das três vencedoras da 2ª edição do Protechting.D.R.

De cima do palco, virados para a audiência, os empreendedores não veem nada a não ser uma enorme sala negra. São os atores principais deste monólogo que só alarga para diálogo quando, sete minutos depois, os jurados são chamados a fazer perguntas para satisfazer as dúvidas.

Catorze, chamados um por um ao palco, os finalistas do Protechting fazem a última tentativa de apresentação de projetos: sete semanas depois do início do programa de aceleração organizado pela Fidelidade e pela Fosun em parceria com a Beta-i, ponderaram quase todas as perguntas e sabem quase todas as respostas: menos as do júri. Mafalda Torres, diretora do Protechting, explica as métricas do demo day, o dia em que o trabalho de quase dois meses se transforma em sete minutos de pitch, quatro minutos de Q&A e minuto e meio de avaliação entre o júri.

“Este palco é uma autêntica Black Box [caixa negra]”, descreve José Villa de Freitas, marketing manager da Fidelidade, que dá as boas-vindas aos participantes. Entre os finalistas, catorze startups, entre as quais quatro portuguesas, duas espanholas e outras de países como a China, o Brasil, a Irlanda, Itália e os Estados Unidos. No final, um pódio mediterrânico: Portugal, Itália e Espanha saíram vencedores e integram o road show à China, que se realiza em setembro.

O ECO assistiu à tarde de pitch e elenca seis dicas essenciais. Tome nota:

  1. Sente a pressão. “É o teatro mais focado, melhor para o júri avaliar a prestação. É difícil imaginar um palco onde haja maior exposição à pessoa que lá está em cima do que neste do S. Luiz”, explica José Villa de Freitas. Apesar de “intimidante”, talvez essa pressão sirva até para melhorar a performance. É que, apesar da exposição, nenhum dos 14 empreendedores gaguejou na hora de responder às perguntas.
  2. Pensa que é só o início. Mafalda Chaves, diretora do programa Protechting, apresenta cada um dos 14 candidatos ao prémio. E diz que, depois de sete semanas de “trabalho duro”, a sessão de pitch deve ser encarada como “só o início”, apesar de ser “o fim” do programa. “Pode ser só o início de uma relação longa de trabalho entre estas startups e as empresas promotoras”, assinala.
  3. Sê e parece ser. “É difícil”. A audiência treme. Quando David Conde respondeu à pergunta de um dos jurados… talvez devesse ter dado uma resposta imediata diferente. Num pitch, todas as possibilidades estão em aberto e os objetivos estão acima da média. Por isso, mesmo que as dificuldades estejam ao virar da esquina, esta é a oportunidade de mostrar a ambição. Sê realista mas não denuncies medo.
  4. Mostra entusiasmo. O alarme toca e ele continua a apontar para o quadro. “Isto é o fim do tempo? Fiquei entusiasmado”, confessa Jannes Du Plooy, CEO e fundador da iFileMe, da África do Sul. Um dos 14 finalistas, Jannes não chegou ao pódio mas entusiasmo não lhe faltou enquanto apresentou o seu projeto, uma app que por cada compra que fazemos com o cartão faz uma transferência automática pré-definida para uma conta poupança, ou seja, “guarda automaticamente para o teu futuro”, conclui.
  5. Decora os números. “Vamos falar de millennials“, diz David Conde, antes sequer de começar a falar da sua Coinscrap. O espanhol sabe os números de trás para a frente. E isso é essencial na hora de os jurados colocarem as perguntas. É que quantos mais detalhes se derem no pitch, mais interesse demonstra a audiência.
  6. Observa e tira apontamentos. Quando ainda não for a tua vez, aproveita as sessões de pitch para tirar apontamentos. Foi isso que fizeram alguns assistentes na audiência. Antes de começarem os pitch, já tinham organizados os nomes das startups num documento no computador, que foram preenchendo com informação relevante. No fim, basta agregar os detalhes e aprender, vendo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis coisas que aprendi a ouvir pitch no Protechting

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião