Protechting leva três startups mediterrânicas à China

Portugal, Espanha e Itália marcam presença no pódio da 2ª edição do acelerador da Fidelidade e da Fosun. Prémio inclui 10.000 euros e participação no road show na China.

Os vencedores da 2ª edição do Protechting foram conhecidos esta terça-feira.D.R.

Amiko (Itália), Bdeo (Espanha) e Visor.ai (Portugal) foram os três projetos vencedores do demo day da 2ª edição do Protechting, um programa de aceleração de sete semanas organizado pela Fosun e pela Fidelidade em parceria com a Beta-i. O acelerador dedica-se a startups com negócios nas áreas de proteção/prevenção, serviços e saúde. Depois de sete semanas de formação e dos catorze pitch finais, os jurados decidiram-se por um pódio mediterrânico: uma espanhola, uma portuguesa e uma italiana foram as startups vencedoras.

Os vencedores ganham um prémio monetário de 10.000 euros cada e a integração num road show à China, com acesso a alguns dos maiores investidores mundiais. As três startups vencedoras poderão ainda beneficiar de uma participação de capital, ou ver o seu negócio integrado na Fidelidade, Luz Saúde ou numa das outras empresas do grupo Fosun.

Jorge Magalhães Correia, CEO da FidelidadeD.R.

“Aprendemos muito com a edição anterior. Nesta edição, houve maior maturidade das startups e um maior encaixe e integração com a Fidelidade, Luz Saúde e Fosun. Também houve um maior envolvimento da nossa parte. Mais de 50 pessoas estiveram envolvidas, contribuindo para a implementação de pilotos funcionais“, explica Jorge Magalhães Correia, CEO da Fidelidade.

O Protechting traduz a nossa forma de encarar a inovação, trazendo novas ideia para dentro. Mais do que inovação, vivemos uma revolução, acolhendo e desenvolvendo continuamente projectos que nos permitem inovar e melhorar.

Jorge Magalhães Correia

CEO da Fidelidade

Para Júlia Gu, global partner e vice-presidente do grupo Fosun, “o empreendedorismo sempre foi um ativo importante” para a empresa. “A Fosun procura contribuir para um mundo melhor através do apoio a novas e inovadoras ideias de negócio”, explica, em comunicado.

Uma das principais características desta edição esteve relacionada com a diversidade dos países de origem dos participantes, como sublinhou Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i. A existência de 10 países diferentes entre as equipas “reforça a atratividade de Portugal e o caráter internacional do programa. Esta diversidade é muito saudável, precisamente pelo potencial de inovação que encerra, neste caso em concreto, para a indústria dos seguros e saúde”, disse Rocha Vieira.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Protechting leva três startups mediterrânicas à China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião