Protechting está cada vez mais internacional

  • ECO
  • 12 Abril 2017

A edição deste ano recebeu candidaturas de 33 países. Ainda assim, Portugal lidera a lista, com 25% das candidaturas. Espanha e Reino Unido vêm logo a seguir.

A Fidelidade, Grupo Fosun e a Beta-i querem fomentar o empreendedorismo na área dos seguros e saúde através do programa Protechting, desenhado para acelerar startups. Este ano, as candidaturas chegaram de pontos tão dispersos do globo como China, Itália, África do Sul, Brasil, Singapura ou Líbano. Contudo, foi Portugal o país que se destacou, totalizando um quarto do volume de candidaturas. Espanha e Reino Unido são os países que se seguem, representando apenas 10% e 8% das candidaturas, respetivamente.

Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, acredita que “o número e origem das candidaturas inscritas para a segunda edição do programa Protechting confirmam, de alguma forma, a atratividade que a Fidelidade e a Fosun representam no mercado e na captação de ideias inovadoras. E esta atratividade que é evidente em Portugal, tirando partido do dinamismo atual do ecossistema de empreendedorismo”.

O objetivo, ainda segundo o presidente, é “contribuir para uma maior e melhor proteção das pessoas”. Wang Qunbin, CEO da Fosun, salienta que o programa permite “ajudar os jovens empreendedores a realizar os seus sonhos”.

Para tal, as 25 equipas serão selecionadas para o bootcamp. Entre elas, as 15 finalistas terão acesso a dois meses de aceleração, entre 22 de maio e 7 de julho. O parceiro Beta-i é uma das chaves do programa, uma vez que foi considerado o maior promotor de empreendedorismo na Europa pelos European Enterprise Promotion Awards da Comissão Europeia, em 2014. A Beta-i foi ainda responsável por grandes eventos do empreendedorismo em Portugal como a Lisbon Investment Summit, Explorers Festival, Silicon Valley Comes to Lisbon, Sandbox Lisbon, Startup Weekend e o primeiro TEDx no país.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Protechting está cada vez mais internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião