Protechting está cada vez mais internacional

  • ECO
  • 12 Abril 2017

A edição deste ano recebeu candidaturas de 33 países. Ainda assim, Portugal lidera a lista, com 25% das candidaturas. Espanha e Reino Unido vêm logo a seguir.

A Fidelidade, Grupo Fosun e a Beta-i querem fomentar o empreendedorismo na área dos seguros e saúde através do programa Protechting, desenhado para acelerar startups. Este ano, as candidaturas chegaram de pontos tão dispersos do globo como China, Itália, África do Sul, Brasil, Singapura ou Líbano. Contudo, foi Portugal o país que se destacou, totalizando um quarto do volume de candidaturas. Espanha e Reino Unido são os países que se seguem, representando apenas 10% e 8% das candidaturas, respetivamente.

Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade, acredita que “o número e origem das candidaturas inscritas para a segunda edição do programa Protechting confirmam, de alguma forma, a atratividade que a Fidelidade e a Fosun representam no mercado e na captação de ideias inovadoras. E esta atratividade que é evidente em Portugal, tirando partido do dinamismo atual do ecossistema de empreendedorismo”.

O objetivo, ainda segundo o presidente, é “contribuir para uma maior e melhor proteção das pessoas”. Wang Qunbin, CEO da Fosun, salienta que o programa permite “ajudar os jovens empreendedores a realizar os seus sonhos”.

Para tal, as 25 equipas serão selecionadas para o bootcamp. Entre elas, as 15 finalistas terão acesso a dois meses de aceleração, entre 22 de maio e 7 de julho. O parceiro Beta-i é uma das chaves do programa, uma vez que foi considerado o maior promotor de empreendedorismo na Europa pelos European Enterprise Promotion Awards da Comissão Europeia, em 2014. A Beta-i foi ainda responsável por grandes eventos do empreendedorismo em Portugal como a Lisbon Investment Summit, Explorers Festival, Silicon Valley Comes to Lisbon, Sandbox Lisbon, Startup Weekend e o primeiro TEDx no país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Protechting está cada vez mais internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião