Portugal Ventures vai cofinanciar startups nacionais na Seedrs

A empresa pública de capital de risco quer premiar investimento obtido pelas startups nacionais através da plataforma: para isso, cada ronda será duplicada pela Portugal Ventures.

A empresa pública de capital de risco Portugal Ventures vai passar a cofinanciar startups portuguesas inscritas e que obtenham financiamento na plataforma de equity crowdfunding da Seedrs. O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, esta tarde, em Lisboa, na inauguração dos novos escritórios da empresa luso-britânica.

A parceria tem, segundo o secretário de Estado da Indústria, vários objetivos: “Promover plataformas de financiamento deste tipo como alternativa porque é um bom teste ao produto, ao serviço e à sua gestão. Se conseguem levantar 100, 200 mil euros, de 100 ou 200 investidores, merecem que o Estado português esteja ao lado delas. E também com outro objetivo: queremos que um estrangeiro que está a colocar o seu investimento na Seedrs, que ele saiba que se mudar para Portugal, cá receberá o dobro do dinheiro que vai receber através da plataforma”, explicou.

Queremos que empresas de Portugal que se financiem na Seedrs tenham um coinvestimento de um fundo português que será a Portugal Ventures.

João Vasconcelos

Secretário de Estado da Indústria

“O Brexit é uma oportunidade se soubermos criar uma boa caixa para startups e tech, podemos atrair muitos negócios, investimento e bons escritórios como estes”, afirmou ainda João Vasconcelos, acrescentando que o programa de coinvestimento da Portugal Ventures pode servir de atração a empresas estrangeiras que possam ver uma oportunidade para constituírem empresa em Portugal.

A Seedrs é uma plataforma de equity crowdfunding cofundada pelo português Carlos Silva e serviu de cenário à ronda de financiamento que várias startups portuguesas conseguiram levantar. Uma das mais significativas foi a de 600 mil euros, obtida pela Tradiio em dezembro do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures vai cofinanciar startups nacionais na Seedrs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião