Bolsonaro tem 57% de intenções de voto no Brasil, mas baixa dois pontos

  • Lusa
  • 24 Outubro 2018

De acordo com a última sondagem do Ibope, o candidato do Partido Social Liberal desceu dois pontos em relação à sondagem anteriormente realizada.

O candidato da extrema-direita às presidenciais brasileiras, Jair Bolsonaro, tem 57% das intenções de voto, contra 43% candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, segundo uma sondagem do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope).

De acordo com a sondagem, o candidato do Partido Social Liberal (PSL) desceu dois pontos em relação à última sondagem.

De acordo com a anterior pesquisa de intenções de voto do Ibope sobre a eleição do Presidente da República do Brasil na segunda volta, que decorre a 28 de outubro, Jair Bolsonaro recebia 59% das intenções de votos válidos, enquanto Fernando Haddad recolhia 41%.

O levantamento do Ibope divulgado na terça-feira foi realizado entre domingo (dia 21) e terça-feira (dia 23) e tem uma margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Para calcular os votos válidos, o Ibope exclui da amostra os votos brancos, os nulos, e os eleitores que se declaram indecisos. Um procedimento igual ao que é utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

Para vencer na segunda volta, um dos candidatos terá de ter 50% dos votos válidos, mais um voto.

Dos votos totais, segundo esta última sondagem do Ibope, Bolsonaro arrecada 50% e Haddad 37%, com 10% de votos em branco ou nulos e 3% dos inquiridos a dizer que “não sabe”.

No nível de rejeição, os dois candidatos à segunda volta estão mais próximos, com 40% a dizerem que não votariam de forma alguma em Bolsonaro e 41 por cento com a mesma opinião em relação a Haddad.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsonaro tem 57% de intenções de voto no Brasil, mas baixa dois pontos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião