Amorim já assinou acordo para comprar a Comporta. Acionistas decidem no final de novembro

A assembleia geral de participantes da Comporta ainda não tem data oficial, mas deverá realizar-se no final de novembro.

O consórcio formado pelo fundo Vanguard Properties e pela Amorim Luxury, liderado pela empresária Paula Amorim e a única entidade a entregar uma proposta vinculativa pela Comporta, já assinou acordo para a compra dos ativos imobiliários do Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado da Herdade da Comporta.

A informação foi confirmada, esta quinta-feira, pelo próprio consórcio, em comunicado enviado às redações. “O contrato promessa de compra e venda com a sociedade gestora foi celebrado na presença e nas instalações da Deloitte Consultores, entidade que supervisionou o processo concursal iniciado em 22 de agosto, e deverá ser submetido à apreciação da assembleia geral de participantes do fundo proprietário”, pode ler-se no comunicado. O contrato foi assinado esta terça-feira, dia 23 de outubro.

A data para assembleia geral de participantes ainda não está marcada, mas deverá realizar-se no final de novembro. Ao ECO, José Cardoso Botelho, diretor-geral da Vanguard Properties, indica que a assembleia poderá ser feita no dia 27 de novembro.

Antes disso, a oferta ainda terá de ser comunicada aos participantes, o que deverá acontecer nas próximas duas semanas. Só então poderão ser divulgados os valores que estão em causa, que, para já, não são conhecidos.

Também a Gesfimo, sociedade que gere os fundos de investimento imobiliário da Comporta, já confirmou a assinatura do contrato promessa. “A sociedade gestora do Fundo irá comunicar ao Ministério Público e ao Tribunal Central de Instrução Criminal os termos deste acordo“, informa a Gesfimo em comunicado.

A informação tem de ser transmitida ao Ministério Público uma vez que os ativos da Comporta estão arrestados pelo Estado português e, para que sejam vendidos, o Ministério Público tem de autorizar o levantamento deste arresto. Se essa autorização não for concedida e a venda não se concretizar, a herdade corre o risco de entrar em insolvência, tal como já alertaram os curadores dos processos de insolvência das empresas do Grupo Espírito Santo (GES) que tinham sede no Luxemburgo (no caso, a Rioforte, que controla a Comporta).

Notícia atualizada às 12h37 com mais informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amorim já assinou acordo para comprar a Comporta. Acionistas decidem no final de novembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião